Em visita de Dilma, Google promete ampliar centro tecnológico no Brasil

Dilma na sede do Google (Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Dilma se encontrou com presidente-executivo da gigante da internet, Eric Schmidt.

Ao receber a presidente Dilma Rousseff na sede do Google nesta quarta feira, o presidente-executivo da gigante da internet, Eric Schmidt, anunciou que abrirá em novembro um novo escritório no centro de operações do Google no Brasil, em Belo Horizonte, e dobrará o número de engenheiros na instalação.

Hoje, cerca de 100 engenheiros - em sua maioria brasileiros - trabalham no centro de engenharia do Google em Belo Horizonte, o único centro desse tipo que a empresa mantém na América Latina. O centro foi inaugurado há dez anos e já recebeu investimentos de US$ 200 milhões, segundo a empresa.

Na visita, segundo a assessoria do Google, Dilma discutiu com Schmidt e outros altos executivos da empresa formas de levar a internet a áreas do Brasil que ainda estão desconectadas, como a Floresta Amazônica.

"Estamos tentando equalizar o problema da comunicação na Amazônia", disse Dilma, em pronunciamento durante a visita.

Leia mais: Seis resultados da visita de Dilma aos EUA

Leia mais: Obama diz ver Brasil como potência global

O Google diz que o Brasil é, ao mesmo tempo, o quinto país com o maior número de pessoas conectadas à internet e o oitavo com a maior população desconectada.

Direito de imagem BBC Brasil
Image caption Presidente discutiu formar de levar a internet a áreas do Brasil ainda desconectadas

A empresa tem um programa - o Projeto Loon - que usa balões estratosféricos para levar internet a celulares e tablets a regiões isoladas.

Segundo a presidente, o sistema de balões pode trazer ao Brasil oportunidades para interconectar a Amazônia sem grandes custos.

Em abril, Dilma também anunciou que o governo fecharia uma parceria com o Facebook para expandir o acesso à internet no Brasil. O anúncio foi feito após ela se encontrar com o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, durante a última Cúpula das Américas, no Panamá.

A agenda de sua visita ao Vale do Silício nesta quarta também prevê um encontro com Zuckerberg, além de idas a outras empresas, universidades e um centro da Nasa, a agência espacial americana.

Dilma chegou na terça à noite à região, principal polo tecnológico do mundo, após visitas a Washington e Nova York, onde se reuniu com empresários, investidores e o presidente Barack Obama.

Objetivos

Um dos principais objetivos da visita é atrair investimentos para o Brasil e abrir mercados para produtos brasileiros.

Na última etapa de sua viagem, ela tenta aproximar Brasil e Estados Unidos nas áreas de tecnologia e inovação. Segundo a presidente, esse deverá se tornar um dos eixos das relações entre os dois países no futuro.

Direito de imagem AP
Image caption Dilma quer cooperação com os EUA nas áreas de tecnologia e inovação

Leia mais: Em cinco manchetes: veja como imprensa americana cobriu visita de Dilma

Um artigo publicado na terça-feira no jornal Mercury Valley, um dos principais diários do Vale do Silício, diz que as as empresas da região "estão de olho no Brasil e em seus 200 milhões de habitantes ".

O Brasil, diz o artigo, é o segundo maior mercado do Facebook (atrás apenas dos EUA), com 65 milhões de usuários. "O uso de smartphones está expandindo a penetração da internet mais do que em qualquer país da região", afirma o texto.

Assinado por Jason Marcczak, do think-tank Atlantic Council, o artigo diz que Dilma não escolheu visitar a região por acaso.

"Vamos usar este momento para estimular a cooperação científica e entre empresas para o benefício dos dois países".