Após reencontrar irmão, catarinense ajuda a buscar mais de 10 mil desaparecidos

  • 27 julho 2015
Direito de imagem ARQUIVO PESSOAL
Image caption Amanda e o irmão, em retrato recente: deprimido, ele passou 10 anos desaparecido, sem contato com ninguém; após encontrá-lo, Amanda continuou o trabalho de buscas de outros desaparecidos

"Onde está Jorge Gustavo?". Durante 10 anos, todos os dias, a catarinense Amanda Boldeke, de 62 anos, repetiu a pergunta em hospitais, institutos médicos legais, delegacias, prisões, esquinas. Nada.

Percorreu, entre 1997 e 2007, três Estados do país à procura do irmão, depressivo, que, aos 50 anos de idade, saiu de casa e nunca mais voltou. Nenhuma pista. Decidiu criar uma comunidade no finado Orkut, com o nome de Jorge. O espaço começou a receber denúncias de outros desaparecimentos - sobre Jorge, no entanto, nada.

"Eu imaginava coisas terríveis. Não podia ver pessoas na rua que ia lá ver se era ele." Numa manhã ensolarada de 2007, o telefone toca: "Era um comerciante do Mato Grosso do Sul perguntando se eu conhecia algum Jorge Gustavo. Ele o encontrou na rua, deu banho e roupas, achou meu número na lista telefônica e deu uma passagem para ele me encontrar", conta.

Dez anos mais velho, quase irreconhecível, Jorge havia se tornado um andarilho, tinha o corpo debilitado e estava quase cego. O reencontro aconteceu na rodoviária de Florianópolis.

"Eu olhava, olhava, e não o reconhecia", lembra. "Aí vi um senhor sentado num canto, encolhidinho, com um boné vermelho na cabeça... era ele. Que taquicardia. Desculpe, mas não vou conseguir explicar para você o tamanho da emoção."

Leia mais: Britânico 'redescobre' irmã morta em incêndio por pertences em caixa secreta

Leia mais: Menina de 7 anos é encontrada com vida após 18 dias perdida na selva colombiana

A esta altura, já "sem esperança" e crente que o irmão tinha morrido, Amanda havia mudado o nome do grupo no Orkut para "Desaparecidos do Brasil", por conta das outras denúncias. Após o reencontro com Jorge, a odisseia de uma década de buscas parecia enfim ter terminado (Jorge se recuperou e mora com ela até hoje). Mas não.

"Eu já estava tão envolvida com o trabalho, com as pessoas. Você vivencia a tristeza e a dor de quem está procurando alguém, não dá para se afastar sem mais nem menos... Aí não teve mais volta."

Direito de imagem
Image caption Retrato tirado em 2007, no dia em que Amanda reencontrou o irmão, desaparecido há 10 anos

Buscas

A comunidade "Desaparecidos do Brasil" se transformou, em 2007, no site desaparecidosdobrasil.org. Desde então, Amanda dedica a vida a alimentar este banco de dados de desaparecidos, ajudar esclarecer estes casos e apoiar familiares de pessoas que sumiram sem deixar vestígios.

"Eu deixo muito de mim de lado, porque a cada momento que eu abro o e-mail eu tenho ali um pedido de ajuda", diz. "É ruim não ter tempo para a família. Mas se eu não gostasse, não faria. É algo que me emociona, me traz tristezas e alegrias. Faço de coração mesmo, não teria dinheiro que pagasse."

Com recursos próprios e raras doações, de lá para cá, Amanda já conseguiu dar visibilidade às buscas mais de 10 mil famílias em todo o Brasil. Imprime cartazes, telefona para delegacias e hospitais, cobra o Governo Federal e criou uma rede de colaboradores que compartilham as imagens e informações sobre desaparecidos nas ruas e redes sociais.

Amanda recebe entre 150 e 200 pedidos mensais de ajuda sobre novos desaparecimentos. Um em cada cinco se refere a idosos.

"É um número tão grande, tão impressionante, que cheguei a fazer uma página no Facebook especificamente para idosos. Todos os dias algum desaparece, geralmente em consequência da doença de Alzheimer. Por isso é difícil identificar onde estão ou se foram recolhidos", diz.

As crianças representam percentual ainda maior: 22 a cada 100 casos. "Poucas delas simplesmente se perdem. Costumam ser raptadas, quando não por pedófilos, por quadrilhas ligadas ao tráfico de órgãos, à prostituição, ao trabalho escravo e à adoção internacional irregular", explica Amanda.

Direito de imagem
Image caption Amanda recebe entre 150 e 200 pedidos mensais de ajuda sobre novos desaparecimentos. Um em cada cinco se refere a idosos.

Seu trabalho também inclui o caminho inverso: ajudar crianças que foram afastadas de suas famílias a reencontrarem seus parentes de sangue. "No Brasil, sabemos, as adoções nem sempre são legais. Muitas mães dão os bebezinhos sem imaginar que a criança vai querer conhecer sua história depois. A gente faz a busca, às vezes a mãe fica superfeliz, às vezes não."

Ela explica: "Muitas destas mulheres que abandonaram crianças no passado hoje constituíram família, têm filhos, às vezes netos. Elas simplesmente não querem expor este passado, preferem deixá-lo escondido, e escolhem continuar renegando estes filhos."

O que fazer?

Procurado pela BBC Brasil, o Ministério da Justiça informou que a Secretaria Nacional de Segurança Pública "está integrando os boletins de ocorrência nas Polícias Civis dos Estados" e que, "com o tempo, teremos todos os estados do Brasil alimentando a rede e com informações precisas sobre pessoas desaparecidas".

"Assim que for concluída e realizada efetivamente a integração de todos os registros, teremos um levantamento mais atualizado da quantidade de dados de desaparecidos no País, assim como de casos solucionados", prossegue o ministério.

A reportagem questionou a lentidão do processo, que foi iniciado em 2012, com a promulgação de uma lei. Três anos depois, apenas três estados - Sergipe, Santa Catarina e Espírito Santo - alimentam o banco de dados. A pasta não respondeu, entretanto, não respondeu aos questionamentos.

Mãe de quatro filhos, avó de cinco netos, a catarinense comemora sucesso em 80% dos casos que recebe.

"Se a pessoa está ativa, tem CPF, é difícil, mas normalmente encontramos, porque dá para falar com as delegacias e rastrear", diz.

O problema é quando a pessoa perde ou deixa de usar o documento. "Nesses casos, a chance de estarem sem memória, terem sido enterrados como indigentes ou sido vítimas de algum crime infelizmente é grande."

O primeiro passo em caso de desaparecimento na família, explica Amanda, é o registro de um boletim de ocorrência (BO). À BBC Brasil, porta-vozes do Ministério da Justiça informaram que não é preciso aguardar 24 ou 48 horas para procurar ajuda. "Isso é mito", diz a pasta.

"A gente sempre orienta a fazer o BO, os casos precisam entrar nas estatísticas", diz Amanda. "Depois disso, nós fazemos um 'cartão' com as informações dos desaparecidos e orientamos a família a procurar nos hospitais com a foto, ir nos IMLs, jornais, rádios. Tudo tem que ser feito o quanto antes."

Ela lamenta a falta de apoio do poder público. "Fico decepcionada, porque os órgãos públicos, que teriam obrigação de fazer tudo isso que fazemos, realmente se omitem."