O que a bandeira diz sobre um país?

Direito de imagem iStock
Image caption Especialistas no estudo das bandeiras se reúnem a cada dois anos para discussões

Como a história, a geografia, a cultura, a política e a religião de um país podem ser espremidos para formar um único desenho que caiba em um retângulo?

Guerras, revoluções, uniões políticas e rivalidades públicas deram forma às cores e ao conteúdo das bandeiras de todo o mundo – o mais evocativo dos símbolos de uma nação.

Mas recentemente alguns países estão repensando essa imagem. O governo das Ilhas Fiji, por exemplo, prometeu a seu povo um novo emblema nacional que não faça referência a seu passado colonial.

E a Nova Zelândia lançou um concurso para encontrar o estandarte que represente tanto sua identidade moderna e multicultural quanto sua rica herança indígena maori.

Leia mais: Nova Zelândia vai gastar R$ 25 milhões para salvar pássaro kiwi de extinção

Leia mais: O que faz da Nova Zelândia um novo polo para os negócios

Dois referendos

Direito de imagem Friedensreich Hundertwasser
Image caption Design de arquiteto austríaco que adotou Nova Zelândia é um dos favoritos do público

Os neozelandeses tinham até esta quinta-feira para submeter suas ideias a um júri independente, formado por figuras proeminentes do país, e que vai ajudar a decidir a cara da nova bandeira.

A tarefa dos jurados será escolher entre aqueles que consideram os quatro melhores candidatos, que serão então submetidos a um referendo popular em novembro.

O desenho ganhador participará de um segundo turno em 2016, no qual os eleitores decidirão se adotam o projeto vitorioso ou se mantêm atual bandeira do país, que exibe a Union Jack, dos colonizadores britânicos, sobre um fundo azul com quatro estrelas vermelhas que simbolizam o Cruzeiro do Sul.

Milhares de projetos foram inscritos no concurso. Cada um será avaliado individualmente antes de a lista ser reduzida a quatro.

Leia mais: Mostra em Londres revela passado de fome da ícone Audrey Hepburn

Leia mais: Por que a piscina é um símbolo de status?

Nação de migrantes

Direito de imagem ottis Frizzel
Image caption Projeto de artista Otis Frizzell aposta nos símbolos da natureza neozelandesa

Entre os desenhos submetidos está um design de 1983 feito pelo arquiteto austríaco Friedensreich Hundertwasser, que adotou a Nova Zelândia nos anos 1970 e viveu ali até sua morte, em 2000.

Sua criação verde e branca se baseia no koru (“laço” em maori), uma forma em espiral que representa um broto de samambaia – a planta típica do país.

Mike Summerfield, um dos vários cidadãos que sugeriram a adoção do desenho de Hundertwasser, acredita que a experiência do arquiteto como imigrante é algo que está no âmago de ser neozelandês. “Em relação à História mundial, todos nós somos migrantes recentes na Nova Zelândia”, argumenta.

O artista e ilustrador Otis Frizzell também escolheu motivos maoris para sua ideia. Ele manteve as estrelas do Cruzeiro do Sul e apresenta uma bandeira fincada em três elementos: o céu, a terra e o mar, em verde, preto e branco.

“Foi o Cruzeiro do Sul que guiou todo o mundo até aqui, desde os primeiros habitantes aos colonizadores”, explica. “O branco representa as cristas brancas das ondas do oceano. As formas verdes são nossas montanhas e a cor do mar. Tudo isso significa Nova Zelândia para mim.”

Leia mais: Oito inusitados festivais do verão britânico

‘Simplicidade é fundamental’

Direito de imagem Government of Nauru
Image caption Para especialista, bandeira de Nauru expressa com perfeição a história do país

Em setembro, Sydney, na Austrália, vai abrigar o 26º Congresso Internacional de Vexilologia, um evento bienal que atrai especialistas em bandeiras de todo o mundo.

Para Ralph Kelly, presidente do comitê organizador da conferência, esses objetos são como obras de arte. Sua coleção pessoal inclui as insígnias reais do Kaiser alemão e do Xá da Pérsia, além da bandeira da Suazilândia. “É um design que ‘grita’ África e tem um grande significado”, afirma.

“As bandeiras que não funcionam são aquelas que tentam ter um pouco de tudo. A melhor abordagem é decidir quais os elementos mais importantes do país que você está tentando representar”, explica. “A simplicidade é fundamental, mesmo que você tenha que deixar de lado algum elemento.”

Algumas bandeiras são consideradas mais bonitas do que outras. Um exemplo é o emblema do Canadá, com sua folha de ácer vermelha com 11 pontas, e apontado como perfeito por muitos vexilologistas.

Trata-se de um desenho simples, impactante e imediatamente reconhecível. Kelly acredita que a bandeira é extremamente eficiente em “reforçar uma identidade nacional”.

Mas a favorita do especialista é a bandeira que se agita sobre a menor república do mundo, a minúscula ilha de Nauru, no Pacífico Sul.

“É uma bandeira azul com uma linha amarela no centro marcando a linha do Equador, e uma grande estrela de 13 pontas representando os clãs históricos do país. Ela diz: ‘Este é o meu lugar no mundo’”, conclui.

Leia mais: Derrubadas pelos voos 'low-cost', praias britânicas ensaiam volta à moda

Preferida do premiê

Direito de imagem Kyle Lockwood
Image caption Flâmula com folha de samambaia e Cruzeiro do Sul é a preferida do premiê

Na Nova Zelândia, as figuras que mais têm aparecido nos projetos inscritos são a folha de samambaia prateada e o kiwi, um pássaro com um longo bico que também é um símbolo do país.

Há uma década, o arquiteto Kyle Lockwood ganhou um concurso promovido por um jornal local da capital neozelandesa, Wellington. Ele fez algumas modificações e inscreveu o projeto no atual concurso.

O desenho tem uma folha de samambaia em um lado e o Cruzeiro do Sul do outro, nas cores vermelha, branca e azul. Sua criação é a preferida do primeiro-ministro John Key.

“A folha de samambaia é identificada instantaneamente por todas as gerações de neozelandeses em casa ou no exterior, e é um símbolo nacional muito peculiar”, explica Lockwood, em entrevista à BBC. “Mas é muito difícil colocar uma nação inteira representada em um pedaço de tecido.”

Leia mais: Ídolos mortos de Hollywood poderão estrelar novos filmes?

Leia mais: As incríveis máquinas mutantes de 'Mad Max'

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Culture.