Caso destaca histórico de impunidade da polícia britânica

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption A Scotland Yard tem sido criticada pela conduta de seus oficiais armados

Em uma comparação direta com os números de pessoas mortas pela polícia no Brasil, os 55 casos de óbitos envolvendo armas de fogo de forças policiais britânicas nos últimos 25 anos são irrisórios.

No entanto, nunca na história legal da Grã-Bretanha um policial foi condenado por homicídio culposo ou doloso neste tipo de situação, mesmo quando foi a julgamento. O mais recente caso ocorreu em julho, quando o policial Anthony Long foi inocentado da acusação de homicídio doloso pela morte do adolescente Azelle Rodney, abatido à queima-roupa com quatro tiros na cabeça durante uma operação policial no sul de Londres, em abril de 2005.

Mesmo nos casos em que houve falhas na atuação das forças de segurança, como no do brasileiro Jean Charles de Menezes, há dez anos, as mortes acabaram ficando sem punição.

No caso de Jean Charles, a Polícia Metropolitana de Londres (Scotland Yard) escapou de um processo criminal e não houve ações contra indivíduos - a corporação pagou uma multa por violações à segurança pública.

Leia mais: 'Racismo da polícia ajudou a matar Jean Charles', diz ex-superintendente

Assista: Jean Charles, dez anos depois: cinco relatos

'Proteção'

Clicável
  • Jean Charles

    ×

    Jean Charles se transformou num símbolo da luta de ONGs de direitos humanos que cobram mais responsabilidade da polícia britânica em ações envolvendo o uso de agentes armados.

    O brasileiro também foi tema de produções artísticas, incluindo um filme sobre sua vida. Ganhou um memorial na estação de Stockwell, que virou uma espécie de atração local.

  • Osman Hussain

    ×

    Osman Hussain, o homem que a polícia realmente procurava em 22 de julho, fugiu para Roma e ficou escondido no apartamento de um irmão.

    Foi preso sete dias depois e extraditado para o Reino Unido. Em julho de 2007, o etíope foi julgado e condenado a um mínimo de 40 anos de prisão.

  • Cressida Dick

    ×

    Cressida Dick foi uma das lideranças da Scotland Yard mais criticadas nos inquéritos que apuraram a morte de Jean Charles. Era ela quem estava no comando da operação em 22 de junho.

    No entanto, Dick acabaria promovida e durantre anos foi a mais graduada oficial feminina do Reino Unido. Hoje, trabalha no Ministério das Relações Exteriores.

  • Ian Blair

    ×

    Ian Blair ficou no centro da tempestade gerada pelas disparidades grosseiras entre versão oferecida inicialmente pela polícia para as circunstâncias da morte e os fatos que emergiram.

    O então comissário da Scotland Yard renunciou ao cargo em 2008, depois foi atacado publicamente pelo prefeito de Londres, Boris Johnson. Mas, em 2010, ganhou um título de lorde.

  • Policiais

    ×

    Depois de várias investigações, a justiça britânica decidiu que nenhum policial seria responsabilizado. As identidades dos policiais jamais foram divulgadas.

    Em 2008, um dos homens que atiraram em Jean Charles, identificado apenas como 'C12', prestou depoimento na presença da mãe do brasileiro.

  • Primos

    ×

    Do quarteto de primos de Jean Charles, apenas Alex Pereira voltou para o Brasil. Seguem em Londres Vivian Figueiredo (direita), Alessandro Pereira (centro) e Patrícia Armani.

    No mês passado, a família entrou com uma ação na Corte Europeia de Direitos Humanos, na França, pedindo que a polícia seja investigada criminalmente.

A estatística favorável à polícia preocupa as ONGs de defesa dos direitos humanos e mesmo vozes no meio policial.

Em recente entrevista à BBC Brasil, o ex-superintendente da Scotland Yard Leroy Logan queixou-se do que classifica como uma "proteção cultural" a policiais em casos jurídicos.

Leia mais: 'Arrancaram a minha alma', diz mãe de Jean Charles

Para Deborah Coles, diretora da ONG Inquest, que lida com casos de mortes envolvendo a polícia, o caso de Jean Charles gerou um debate sobre justiça e responsabilidade policial.

"Uma sociedade democrática precisa de um sistema jurídico que assegure o direito de questionar as ações da polícia e que casos de violações dos direitos humanos sejam punidos. A confiança do público na polícia é fundamental e não pode ser minada pela percepção de que a lei é diferente para aqueles que usam uniforme", afirma Coles.

Image caption A morte de Jean Charles de Menezes em Stockwell resultou apenas em uma multa para a polícia de Londres

Na Grã-Bretanha, incidentes deste tipo têm que obrigatoriamente ser investigados pela Comissão Independente de Queixas sobre a Polícia (IPCC). No caso Jean Charles, a IPCC fez críticas à conduta da Scotland Yard, mas tratou a morte do eletricista mineiro muito mais como um acidente, citando a tensão provocada pelos atentados de julho de 2005 em Londres como fator de mitigação.

"Muitos investigadores da IPCC são ex-policiais e não há garantia de que o corporativismo não influencia seu trabalho", diz Logan.

Para Coles, a proteção se estende ao Judiciário.

Leia mais: Família de Jean Charles 'foi espionada pela polícia britânica'

"Nossa experiência mostra que as investigações da IPCC e do Ministério Público desde o começo evitam tratar mortes pela polícia como homicídios", completa ela, que no mês passado esteve presente à sessão na Corte Europeia de Direitos Humanos, em Estrasburgo (França), em que parentes de Jean Charles entraram com uma ação pedindo uma revisão jurídica da decisão das autoridades britânicas.

Image caption Menos de 10% dos 31 mil policiais da Scotland Yard andam armados

Para Harriet Wistrich, a advogada da família, o caso de Jean Charles é de interesse público porque representa abuso de poder.

"Jean Charles morreu sem chance de se defender e o fato de que nenhum policial foi a julgamento causa preocupação. Fica a impressão de que as autoridades poderão agir sem que respondam por seus atos."

Em 2009, a Inspetoria-Geral do Reino Unido divulgou um relatório criticando a Scotland Yard pela lentidão na implementação de reformas que pudessem minimizar morte de inocentes em operações envolvendo possíveis atentados suicidas.

Menos de 10% da força de 31 mil homens e mulheres têm licença para uso de armas, e o esquema é de adesão voluntária.

A BBC Brasil contactou a Scotland Yard para buscar sua posição sobre as estatísticas de punição de policiais envolvidos em mortes por armas de fogo mas não obteve resposta.

Notícias relacionadas