Novas regras para uma nova maneira de se trabalhar

Direito de imagem BBC World Service

A maneira como trabalhamos mudou profundamente nas últimas duas décadas, com a aceleração das inovações tecnológicas e uma mudança de mentalidade que requer espaços e contratos mais flexíveis.

Mas o que isso significa para as regras do mundo do trabalho – tanto para quem já está no mercado como para os jovens que estão começando?

O assunto foi tema de debates nesta semana entre alguns LikedIn Influencers (grupo de cerca de 500 profissionais, líderes em seus setores, convidados a postar conteúdo na rede social). A BBC Capital selecionou as ideias de dois deles.

Novos parâmetros

“O espaço de trabalho está mudando profundamente e para sempre”, escreveu Naomi Simson, fundadora da loja online australiana RedBalloon, em uma postagem no LinkedIn intitulada The Five New Rules of Work (“As cinco novas regras do trabalho”).

“Antigas regras estão sendo jogadas fora e substituídas por novas normas, às vezes por causa da tecnologia ou por demandas dos próprios trabalhadores", continuou.

Leia mais: Como combater o sexismo no trabalho

Para ela, uma das regras que ficou obsoleta é a de que o bom funcionário é aquele que vai para o escritório todos os dias.

“Hoje o trabalho pode ser feito onde você estiver, em qualquer lugar do mundo”, afirma. “Não é preciso mais conhecer seus colegas pessoalmente – basta saber seus nomes, seus emails e em que fuso horário estão.”

“Outra regra velha: a de que o expediente vai das 9h às 17h”, aponta. “A verdade que é hoje estamos disponíveis (se quisermos) 24 horas por dia, sete dias por semana.”

“Isso varia de setor para setor, mas, com a naturalidade com que estamos aumentando nossa presença online, cada vez mais vamos verificar nossos emails na cama, editar documentos em aviões e salas de espera ou revisar apresentações enquanto nos preparamos para dormir”, afirma.

“A única coisa é, claro, prestar atenção às pessoas que estão à sua volta.”

Leia mais: Como lidar com colegas de trabalho inseguros?

A empresária e escritora também acredita que hoje já não existe uma divisão clara entre vida pessoal e vida profissional.

“Se você tem paixão pelo que faz, nenhum dia parecerá um dia de trabalho. Quando você se sente valorizado, conectado e orgulhoso de sua contribuição, o trabalho se torna tão importante quanto a vida particular. Temos apenas uma vida. A maneira como escolhemos passar cada minuto dela depende de nossa sensação de valor próprio”, conclui.

Para quem está começando

Já Ian C. Read, diretor-executivo da gigante farmacêutica Pfizer, entende que os jovens que estão começando suas carreiras vão encontrar um mundo totalmente diferente do que seus pais vivenciaram.

Entre as dicas para iniciantes que ele colocou em seu post no LinkedIn estão:

Saiba no que você é bom e corra atrás disso. Tente perceber quais são seus pontos fortes e suas vulnerabilidades, e entenda que tipo de trabalho você gostaria mais de fazer”, escreveu. “Essa autoconsciência vai colocá-lo em vantagem em relação a seus colegas. É muito provável que você tenha sucesso em uma área da qual não gosta.”

Amplie sua experiência o mais cedo possível. É ótimo ser um especialista em um determinado assunto, mas também é importante diversificar suas habilidades no início da carreira. Isso oferece grande valor para sua empresa e mais oportunidades para você, conforme for avançando.”

Suas escolhas iniciais não limitam as funções que você poderá ter no futuro. Quando começamos, é importante explorar todas as opções. Não descarte uma posição na qual você está interessado só porque não parece ser algo que se encaixa em seus planos de longo prazo”, recomenda Read. “Meu primeiro emprego foi como auditor interno. Não só ele não me atrapalhou como também me ajudou em funções mais difíceis posteriormente.”

Leia mais: Como convencer seu chefe a lhe dar um aumento