Estudante chinesa processa governo por livros didáticos que classificam homossexualidade como 'transtorno'

(AFP) Direito de imagem AFP
Image caption A iniciativa partiu de Chen Qiuyan, que afirma tê-los descoberto na biblioteca de sua universidade

Uma estudante da China está processando o Ministério da Educação do país por livros didáticos que descrevem a homossexualidade como um "transtorno".

A iniciativa partiu de Chen Qiuyan, que afirma tê-los descoberto na biblioteca de sua universidade. Segundo ela, os livros sugerem que os gays podem ser "curados" com terapia de eletrochoque, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

Um tribunal de Pequim acolheu a denúncia e pediu que o material seja recolhido.

Leia mais: No Peru, lésbicas sofrem com estupros 'corretivos'

"Os homossexuais já estão sob grande pressão", disse Chen, que entrou com a ação usando um pseudônimo, mas desde então vem usando o nome verdadeiro para falar com a imprensa internacional.

"O estigma adicional difundido por esses livros causa danos direitos aos homossexuais. O ministério deveria monitorar e supervisionar esse conteúdo", acrescentou ela.

Chen, que estuda em uma universidade pública na província de Guangdong, no sul do país, afirmou que vinha consultando alguns livros após sentir-se confusa sobre a sua própria orientação sexual.

"Depois de lê-los, eu fiquei aterrorizada. Fiquei com mais medo de admitir que sou gay", disse ela em entrevista ao jornal americano The New York Times.

A China parou de classificar a homossexualidade como uma doença mental em 2001, mas dezenas de livros publicados desde então ainda a descrevem como um "transtorno", informou a Xinhua, citando uma pesquisa conduzida por uma ONG local.

No ano passado, um tribunal de Pequim emitiu uma decisão história contra uma clínica que oferecia "terapia de conversão gay", o primeiro caso do tipo no país.

Leia mais: Mãe coloca anúncio para arrumar marido para seu filho

Notícias relacionadas