'Dormi com rato, barata e esgoto', diz operário de obra da Rio 2016

  • 2 setembro 2015
  • comentários
(Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Localizada na Zona Oeste do Rio, Vila dos Atletas abrigará mais de 17 mil competidores e equipes técnicas durante Olimpíada

"Se você está achando ruim, pede a conta". Foi isso que J.S., de 29 anos, contou ter ouvido durante meses ao reclamar por, segundo ele, trabalhar treze horas diárias ─ além de sábados ─ e não receber as horas extras, ficar com salário atrasado e incorreto e dormir amontoado com mais 20 homens num alojamento com ratos, baratas e colchões rasgados.

J.S. é um dos 11 trabalhadores descobertos pelo Ministério Público do Trabalho do Estado do Rio de Janeiro (MPT-RJ) em condições análogas à escravidão nas obras da Vila dos Atletas, na Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, que abrigará mais de 17 mil competidores e equipes técnicas durante os Jogos Olímpicos de 2016, e diz ter sido tratado "pior do que cachorro".

Em contato mediado pelo MPT-RJ, o trabalhador concordou em conversar com a BBC Brasil desde que sua identidade fosse preservada e com uma foto de costas, por temer represálias.

O jovem diz ter sido contratado pela empresa Brasil Global Serviços, que fornece mão de obra ao consórcio Ilha Pura (formado pelas empreiteiras Odebrecht e Carvalho Hosken), que toca a obra.

Já de volta ao Estado de origem, no Nordeste, o trabalhador falou por telefone à BBC Brasil, e descreveu detalhes dos quase oito meses no Rio. "Passei a primeira semana dormindo no chão. A casa era uma humilhação, de verdade. A gente foi tratado como bicho mesmo", conta.

A BBC Brasil entrou em contato com a Brasil Global Serviços (BGS) e o consórcio Ilha Pura. O advogado da BGS, Rômulo de Oliveira Nascimento, rejeitou as acusações do MPT-RJ e disse que "não existe nenhum vínculo, de qualquer natureza, que relacione a Brasil Global com o imóvel onde foram localizados os operários", além de ressaltar o "respeito às leis trabalhistas".

O advogado não deixou claro quem seria o responsável pela contratação dos 11 trabalhadores resgatados.

Já o consórcio Ilha Pura afirmou que "mantém procedimentos rigorosos em quaisquer de suas relações trabalhistas, assegurando o atendimento às leis vigentes inclusive no que se refere às condições de trabalho de profissionais contratados por prestadoras de serviço que atuam no empreendimento" e disse que "identifica e fiscaliza alojamentos mantidos por seus fornecedores de mão de obra".

Leia mais: Paes pede punição a empresa que usou trabalho escravo na Vila dos Atletas

Leia mais: Juiz condena Odebrecht por trabalho escravo e tráfico de pessoas em Angola

Direito de imagem ARQUIVO PESSOAL
Image caption Operário diz que dormia em alojamento com ratos, baratas e colchões rasgados

"Sobre as acusações que envolvem a Brasil Global Serviços, a Ilha Pura permanece apurando as informações e à disposição para colaborar com as autoridades", acrescenta o consórcio.

Após a fiscalização do MPT-RJ, a Brasil Global Serviços pagou R$ 70 mil em rescisões, (13º, FGTS e férias proporcionais) relativos à demissão dos 11 funcionários, além de ressarcir as passagens de vinda ao Rio e custear a volta aos seus Estados de origem. A empresa confirmou à BBC Brasil que vai recorrer das ações de danos morais impetradas na Justiça do RJ.

De acordo com a procuradora Guadalupe Turos Couto, que lidera as investigações no MPT-RJ, os próximos desdobramentos do caso incluem determinar se as empreiteiras Odebrecht e Carvalho Hosken podem responder por responsabilidade solidária, o que será crucial para a determinação do valor das indenizações, e posteriormente acionar penalmente os responsáveis.

J.S. e os outros dez colegas aguardam agora os processos judiciais. "Eles vão pagar pelo que fizeram com a gente", diz.

Leia mais: 'Tirei 1,5 mil brasileiros da escravidão', diz fiscal do trabalho

Leia mais: Para que serve a 'lista suja' do trabalho escravo no Brasil?

Veja os principais trechos do depoimento:

"Sou do interior do Nordeste e passei quase oito meses na obra da Ilha Pura, condomínio da Vila dos Atletas, no Rio de Janeiro. Na carteira de trabalho estava contratado como ajudante de carpinteiro, mas na prática ajudei com massa, reboco, carreguei sacos de cimento e também coloquei pisos.

Tudo começou com meu tio, que já estava trabalhando no Rio. Ele fez um contato, falei ao telefone com um encarregado, comprei a passagem de avião e fui. Mas quando eu cheguei, passei um mês parado, esperando entrevistas. Eles não davam explicação, diziam que tinha que esperar ser chamado.

Passei a primeira semana dormindo no chão. Depois me deram um colchão velho, rasgado, muito ruim mesmo. O alojamento era para dez pessoas, mas logo estávamos em 18 e, de repente, já eram 21 trabalhadores. Não tinha lugar para todo mundo, e, no começo, dormi na varanda. Depois fui dormir na garagem, com mais quatro colegas. Quando chovia, a gente se molhava inteiro.

Olha, a casa era uma humilhação, de verdade. A gente foi tratado como bicho mesmo, pior do que você trata um cachorro. Era lotado demais, e tinha barata, rato, cheiro de esgoto. Colchão rasgado, detonado. O pessoal dormia amontoado, e como tinham turnos diferentes, era sempre um entra e sai, uma confusão.

No primeiro mês, das entrevistas e seleção, ganhei R$ 560, incluindo R$ 300 de alimentação e R$ 260 pelos dias. Depois o trabalho começou para valer, e eu pegava às 7h e largava às 18h, 19h, às vezes 20h. Fazia hora extra todo dia, trabalhando uma média de 12 a 13 horas diárias. A semana era de segunda a sábado, a gente só tinha folga domingo.

Mas eu logo vi que não era bem o que eu imaginava. O primeiro pagamento mesmo foi de R$ 850. Falaram que eram R$ 300 da janta e R$ 550 das horas (trabalhadas), mas veio errado. Nunca recebi as primeiras horas extras, nem os primeiros quatro sábados trabalhados.

Tinha mês que o salário vinha certo, tinha mês que vinha errado. Tinha mês que ganhava o vale alimentação de R$ 300 e tinha mês que não caía. A gente pegava do nosso dinheirinho para fazer janta quando via que dava dia 20 e não caía, chegava dia 5 e não caía.

Leia mais: 'Jogaram gasolina em mim e tentaram me queimar viva', diz vítima de tráfico humano

'Se você está achando ruim, pede a conta', era o que eu ouvia quando ia reclamar do pagamento.

Direito de imagem Arquivo pessoal
Image caption Além de condições precárias de alojamento, trabalhador reclama de problemas com pagamentos

A folga era só no domingo. Mas olha, se fosse para receber direitinho, eu trabalhava até de segunda à segunda. Só fiz foi trabalhar mesmo. Saía cedinho e voltava bem cansado.

A coisa piorou quando veio um pessoal para despejar a gente. Era oficial de justiça, polícia, os donos da casa. Acho que por falta de pagamento mesmo. Foi muita humilhação. Eu tive que pular o muro para pegar meus documentos, porque já estava tudo bagunçado. Nossas roupas, nossa comida, eles reviraram tudo.

Aí a Ilha Pura disse que ia colocar a gente em quatro quitinetes, mas na verdade alugaram só duas. Passei quase dois meses ali. Ficou mais lotado ainda, e de novo cheio de barata e rato, colchão velho e rasgado, muito ruim.

De repente eles falaram que não iam mais pagar o alojamento. A gente chegou a perguntar o valor. O aluguel da quitinete era R$ 600 e se fosse dividir em quatro daria R$ 150 para cada um, mas ninguém tinha condição de pagar isso.

'Estão achando ruim? É só pedir a conta', foi o que a gente ouviu de novo. A gente ficou desesperado. Falamos com dois repórteres de televisão que vieram fazer reportagem na Ilha Pura, mas eles falaram que não era a área deles. Estávamos pedindo ajuda mesmo.

Falamos com os encarregados e com o sindicato, mas não adiantou muita coisa. Aí dois colegas ficaram sabendo que a gente poderia reclamar para o Ministério Público do Trabalho, e foi aí que a coisa começou a tomar outro rumo.

Fizeram a batida e disseram que a gente ia para casa. Recebi R$ 6.133,76 de rescisão, e foi bom porque nesses oito meses lá vi muita gente sair sem receber. A empresa colocou a gente num hotel por uns dias, nos fundos da obra, e olha, eles são muito desaforados mesmo, porque mandaram comida para a gente que nem um cachorro come. Carne crua, galinha crua, nem tinha como comer.

Eu só queria uma vida melhor, sabe. Trabalhar e voltar para o Nordeste, mas nesse lado realmente não valeu a pena. Como carpinteiro e eletricista lá na minha terra eu chego a tirar R$ 1.500, quando vou fazer um telhado, e cada tomada cobro R$ 120. Teve mês que já tirei R$ 5.000, e num mês fraco tiro R$ 800.

Rapaz, do Rio de Janeiro eu gostei muito. Eu gosto de conhecer local diferente. Já trabalhei no Ceará, já trabalhei em vários lugares do meu Estado. Nunca tinha sido maltratado assim, mas a cidade realmente é bonita, eu gostei. Vi Copacabana, Leblon, Barra. O Pão de Açúcar e o Cristo eu também via sempre, mas só de longe.

Eu não fico revoltado. Eu fico mais alegre, porque eles vão aprender a dar valor e respeitar o trabalhador que larga sua família lá longe e vai atrás de uma vida melhor. Eles vão pagar pelo que fizeram com a gente. Eu chorei sozinho no Rio de Janeiro, viu. Perdi dois tios e um avô nesses oito meses, e não tinha como ir. Só fazia trabalhar. É triste.

O que ficou da experiência? Rapaz, eu não guardo mágoa. Já fiz feira, fui menino criado no meio do comércio. Minha mãe teve derrame e eu tinha que sustentar a casa, dar banho nela. Fui um menino bem sofrido mesmo, mas sou uma pessoa forte de espírito. A gente passa uma vez, e passa a segunda.

Nessa parte de sofrimento, cada dia para mim é uma nova experiência."

Notícias relacionadas