Redução do desmatamento no Brasil 'melhorou ar e salvou vidas' na América do Sul

Thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Desmatamento na Amazônia caiu 70% entre 2001 e 2012 e 40% no Brasil como um todo

A redução do desmatamento da Amazônia promovida de modo intermitente pelo Brasil desde 2004 melhorou a qualidade do ar em toda a América do Sul, indica um estudo publicado nesta quinta-feira na revista Nature.

Esse esforço teria resultado, ainda, na prevenção de 400 a 1,7 mil mortes prematuras de adultos a cada ano, de acordo com o trabalho realizado por pesquisadores das universidades de Leeds e Manchester, no Reino Unido, do Massachussets Institute of Technology, nos Estados Unidos, e da Universidade de São Paulo.

Leia também: Será que a tecnologia pode ser parceira da natureza?

Leia também: Mundo tem 3 trilhões de árvores e perde 10 bilhões por ano, diz estudo

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook

Isso ocorreu em grande parte porque o método mais comum para abrir clareiras na floresta são incêndios provocados pelo homem.

"O fogo emite uma grande quantidade de partículas na atmosfera, o que piora a qualidade do ar e afeta a saúde humana", diz à BBC Brasil a especialista em ciências atmosféricas Carly Reddington, que liderou a pesquisa.

"Com menos desmatamento, a concentração dessas partículas (no ar) durante a temporada de seca nesta região caiu cerca de 30%."

Impacto

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Incêndio em florestas libera mais partículas na atmosfera

Entre 1976 e 2010, cerca de 15% da Floresta Amazônica brasileira foi desmatada. Isso representa 750 mil km2, o equivalente aos territórios de Portugal, Itália e Alemanha somados.

Mas, entre 2001 e 2012, a taxa anual de desmatamento caiu 40% (de 37,8 mil km2 para 22,9 mil km2) no Brasil como um todo. A redução foi ainda maior, de 70%, na Amazônia brasileira.

Usando dados de satélite e simulações feitas com computador, os cientistas conseguiram correlacionar essa queda do desmatamento brasileiro a uma melhora na qualidade do ar da América do Sul como um todo.

Leia também: Brincar ao ar livre faz bem à visão infantil, indica estudo

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Pesquisa é primeira a apontar correlação entre menos desmatamento e ar melhor, dizem sua autora

Isso porque o fogo usado para desmatar responde por 20% das emissões de partículas na atmosfera feitas por incêndios no mundo, mas, no Brasil, é responsável por 64% das emissões.

Com menos incêndios criados para abrir clareiras na floresta, a quantidade de partículas nocivas liberadas na atmosfera caiu bastante – e, por causa das correntes de ar que circulam pela região, isso gerou uma melhora na qualidade do ar em toda a região.

"Já sabíamos como esse fogo impacta a biodiversidade, o regime de chuvas e as mudanças climáticas, mas não a qualidade do ar", afirma Reddington. "Havia estudos semelhantes feitos na Indonésia, mas este é o primeiro trabalho que faz essa conexão para o Brasil."

Alerta

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Mudanças na legislação podem comprometer avanços obtidos na última década, alertam cientistas

Os pesquisadores ainda se depararam com um achado inesperado em seu trabalho: as emissões de partículas geradas por todos os tipos de incêndios no país caíram, apesar do aumento da ocorrência de queimadas em áreas já usadas pela agricultura.

"Isso nos surpreendeu. A explicação é que os incêndios de desmatamento, por queimarem árvores, produzem de três a cinco vezes mais fumaça do que um incêndio de um cultivo agronômico", afirma Reddington.

Essa fumaça costuma ser levada pelo vento para áreas mais densamente povoadas e causa doenças respiratórias, cardíacas e câncer, levando à morte prematura.

Leia também: Seca causa migração e transforma cidade na 'capital das araras' do Brasil

Com menos partículas no ar, os cientistas estimam que entre 400 e 1,7 mil vidas tenham sido salvas por ano.

No entanto, eles fazem dois alertas: para que as políticas de redução do desmatamento gerem o máximo de benefícios, elas precisam se concentrar também na redução dos incêndios em áreas de floresta tropical.

"Mudanças recentes na legislação brasileira de proteção de florestas podem representar um risco a esse progresso", diz Reddington. "Se o desmatamento voltar a aumentar, certamente haverá um impacto negativo na qualidade do ar da região."

Em 2012, o novo Código Florestal Brasileiro foi aprovado, substituindo a legislação anterior, de 1965, e estabelecendo novos parâmetros para a exploração das terras, a preservação das áreas verdes, o tipo de compensação por áreas desflorestadas e as penas para crimes ambientais.

Na época, o Comitê Brasil em Defesa das Florestas e do Desenvolvimento Sustentável, que reúne 163 organizações dedicadas ao meio ambiente, classificou algumas mudanças como "retrocesso ambiental" por dar uma "anistia aos desmatadores e abrir brechas para novos crimes ambientais".