Em Cuba, papa alerta contra 'ideologias' e 'projetos sedutores'

Papa Francisco em Havana | Foto: Reuters Direito de imagem Reuters

No segundo dia de sua visita a Cuba, o papa Francisco fez discursos com mensagens políticas e alertou sobre os riscos ligados às mudanças em curso na ilha.

Neste domingo, durante a missa que celebrou na Praça da Revolução, o pontífice defendeu a importância de servir e disse que "o serviço nunca é ideológico, dado que não servimos a ideias, mas a pessoas".

Cuba é governada desde 1959 por um regime que se define como socialista. Cerca de 300 mil pessoas acompanhavam a missa, segundo informações oficiais.

Leia também: Cinco pontos para prestar atenção na visita do papa a Cuba

Leia também: Como a Igreja católica sobreviveu aos anos mais radicais da Revolução Cubana

Francisco afirmou que servir significa "cuidar da fragilidade". "A importância de um povo, de uma nação, de uma pessoa sempre se baseia no modo como serve à fragilidade dos seus irmãos."

"Quem não vive para servir não serve para viver", disse o papa.

Francisco elogiou o povo cubano, que, segundo ele, "apesar das feridas que tem como qualquer povo, sabe abrir os braços, caminhar com esperança, porque se sente chamado para a grandeza".

Mas ele os alertou para projetos "que possam parecer sedutores e os façam se desinteressar do rosto de quem está a seu lado".

A mensagem parece se referir às transformações econômicas em curso em Cuba. Nos últimos anos, o governo vem lentamente reduzindo as restrições a negócios privados e cortejando investidores estrangeiros.

No mesmo evento, o arcebispo de Havana, Jaime Ortega Alamino, se referiu diretamente ao tema: "Que as mudanças socieconômicas iniciadas, que agora parecem se aprofundar, não nos levem, como povo, a deixar para trás o alcançado em favor da equidade entre todos os filhos desta terra".

Alamino alertou contra o consumismo e "a adoração ao Deus dinheiro".

Leia também: Ruas de Havana ganham 'maquiagem' para visita do papa

Direito de imagem AP

'Momento crucial'

Em discurso depois da missa, Francisco se referiu ao conflito armado na Colômbia.

Cuba participa dos diálogos de paz entre o governo colombiano e a guerrilha das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), iniciados em 2012 em Havana.

"Por favor, não temos o direito de nos permitir mais um fracasso nesse caminho de paz e reconciliação", afirmou o pontífice.

Segundo ele, as negociações estão num momento "crucial".

Após o evento na Praça da Revolução, Francisco se reuniu com o líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, por meia hora.

O Vaticano diz que os dois tiveram uma conversa informal, diante de filhos e netos de Fidel. O cubano presenteou o papa com um livro de entrevistas que concedeu ao teólogo brasileiro Frei Betto.

Francisco visitou em seguida o palácio presidencial, onde se encontrou com o presidente Raúl Castro.

Ao longo de todo o dia, ele esteve sorridente, embora caminhasse com alguma dificuldade.

Na segunda-feira, o pontífice viaja para Holguín e encerra o dia em Santiago de Cuba, segunda maior cidade cubana.

A visita se encerra na terça-feira, quando Francisco viaja para os Estados Unidos.