ONGs elogiam metas de Dilma para clima, mas cobram Brasil a ir além

Dilma durante coletiva de imprensa em Nova York (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR) Direito de imagem PR
Image caption Dilma anunciou que Brasil terá como meta reduzir em 43% as emissões de gases estufa até 2030

Anunciadas neste domingo pela presidente Dilma Rousseff na ONU, as metas do Brasil para tentar frear o aquecimento global são positivas, mas estão aquém do que o país poderia oferecer e do que o mundo necessita, segundo ambientalistas ouvidos pela BBC Brasil.

Dilma apresentou em Nova York o INDC do Brasil. A sigla designa os compromissos voluntários de cada país a serem levados à conferência da ONU em Paris, em dezembro, quando se buscará um acordo global contra as mudanças climáticas.

Entre os principais objetivos divulgados (leia a lista de compromissos no fim do texto) está o de reduzir em 37% as emissões de gases causadores do efeito estufa entre 2005 e 2025 e em 43% até 2030.

Leia também: Dilma admite falhas em Belo Monte, mas diz não abrir mão de hidrelétricas

Para Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima (rede que reúne ONGs ambientalistas), a meta brasileira é uma das mais ambiciosas apresentadas até agora.

"O Brasil parece ter deixado o discurso de que somos um país em desenvolvimento e temos o direito de poluir", ele diz à BBC Brasil. "Houve um progresso na posição."

Segundo Rittl, o Brasil é a primeira grande economia emergente a adotar uma meta absoluta de redução de emissões para toda a economia.

Direito de imagem AFP
Image caption Anúncio de Dilma ocorreu em discurso na Assembleia da ONU, que este ano teve presença do papa

Ele diz, no entanto, que os números estão abaixo das possibilidades do país e das necessidades do mundo para limitar o aquecimento da atmosfera em até dois graus Celsius.

"Esperamos que a proposta seja um ponto de partida para as negociações, e não de chegada."

Rittl também afirmou que o governo ainda precisa definir o que a redução significa em toneladas de CO², já que há dados divergentes sobre o nível das emissões em 2005.

Demandas antigas

A proposta brasileira para reduzir emissões no setor agropecuário também foi bem recebida.

Dilma anunciou que o Brasil recuperará 15 milhões de hectares de pastagens degradadas e conciliará atividades de lavoura e pecuária com a preservação florestal em 5 milhões de hectares.

Marina Piatto, da ONG Imaflora, diz que o compromisso de restauração quase cumpre a demanda de restauração prevista pelo Código Florestal, antiga bandeira dos ambientalistas.

Leia também: Funcionário alertou Volks sobre fraude em testes, diz jornal alemão

Segundo ela, a integração de lavoura, pecuária e florestas também é positiva e fixa muito carbono que, de outra maneira, seria emitido na atmosfera.

Direito de imagem Ag. Brasil
Image caption Compromisso de conciliar lavoura com preservação ambiental foi elogiado por ambientalista

Outros itens da proposta brasileira geraram reações menos entusiasmadas.

Carlos Rittl diz que não houve novidades na meta de restaurar 12 milhões de hectares de floresta e que o governo não deixou claro se a recuperação se dará apenas com mata nativa ou poderá ser feita com espécies exóticas, como eucalipto.

Embora também absorvam carbono, plantações de eucalipto não são comparáveis a matas nativas em termos de biodiversidade, afirma Rittl.

Ele diz ainda que, mesmo que o governo recupere 12 milhões de hectares de florestas, o número é a metade das áreas privadas ilegalmente desmatadas que precisariam ser reflorestadas segundo o Código Florestal.

Outra meta conservadora e que ainda precisa ser esclarecida, segundo Rittl, é a de zerar o desmatamento ilegal. Dilma disse que a meta será atingida até 2030, mas um documento divulgado pelo governo cita 2025 como prazo.

"Aceitar crimes ambientais por mais 10, 15 anos é embaraçoso", diz o secretário-executivo do Observatório do Clima.

Alinhamento com políticas públicas

A proposta para reduzir emissões na geração elétrica também foi recebida com ceticismo por ambientalistas.

Para Ricardo Baitelo, coordenador de Clima e Energia do Greenpeace, as metas de ampliar o uso das energias solar, eólica e de biomassa estão abaixo do ritmo de contratação deste ano.

Direito de imagem PR
Image caption Plano inclui ampliar para 23% a fatia da fontes renováveis (como a eólica) na produção de energia

Ele diz ainda que, para conseguir cumprir os objetivos anunciados em Nova York, o governo terá de alinhá-los com as políticas que regem os investimentos no setor energético, entre os quais o Plano Decenal de Energia, que vigora até 2024.

Leia também: Sete gráficos para entender a impressionante transformação econômica da China

Hoje, diz Baitelo, o plano decenal prevê um percentual menor de participação de fontes renováveis e biocombustíveis na matriz energética que o anunciado por Dilma.

As políticas atuais para o etanol, segundo ele, também conflitam com os objetivos recém-apresentados.

"Precisamos não só de um alinhamento quanto aos números propostos, mas de políticas públicas que permitam concretizar as ambições."

______________________________________________________________

As metas brasileiras

Objetivos que, segundo Dilma, o Brasil levará à próxima conferência da ONU sobre o clima, em Paris, em dezembro:

  • Entre 2005 e 2025, reduzir emissões de gases causadores do efeito estufa em 37%. Até 2030, chegar a 43%
  • Acabar com o desmatamento ilegal
  • Restaurar 12 milhões de hectares de florestas
  • 
Recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas

  • Integrar 5 milhões de hectares de lavoura-pecuária-florestas
  • Garantir 45% de fontes renováveis no total da matriz energética

  • Ampliar para 66% a participação da fonte hídrica na geração de eletricidade
  • Ampliar para 23% a participação de fontes renováveis (eólica, solar e biomassa) na geração de energia elétrica

  • Aumentar em cerca de 10% a eficiência elétrica
  • Aumentar para 16% participação de etanol carburante e das demais biomassas derivadas da cana-de açúcar no total da matriz energética

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Twitter e no Facebook.