Por que o FMI piorou suas expectativas para a economia brasileira

Thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Além de piora em previsão de queda da economia do Brasil, FMI agora espera retração também em 2016

O Fundo Monetário Internacional (FMI) dobrou nesta terça-feira sua projeção de queda para a economia brasileira.

Segundo a mais nova versão do relatório World Economic Outlook (Perspectivas da Economia Global), divulgada durante encontro anual do Fundo em Lima, no Peru, a economia brasileira vai encolher 3% em 2015. Em julho, a aposta era de contração de 1,5% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

O corte na projeção, de 1,5 ponto percentual, foi o maior entre as previsões do relatório para as principais economias emergentes e avançadas.

Para 2016, a redução da expectativa do FMI foi ainda maior, passando de projeção de crescimento de 0,7%, divulgada em julho, para previsão de queda de 1% no PIB no novo documento.

O relatório traz um cenário mais pessimista para este ano do que o traçado pelo mercado brasileiro. O mais recente boletim Focus, divulgado semanalmente pelo Banco Central a partir de consultas a economistas e instituições financeiras, prevê contração de 2,85% da economia em 2015 e de 1% em 2016.

Leia também: Aprovação de mega-acordo comercial no Pacífico 'acende alerta para Brasil'

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook

Veja alguns dos principais pontos destacados na avaliação do FMI:

_____________________________________________________________________

1. Condições políticas

Direito de imagem Thinkstock
Image caption FMI diz que maior retração no Brasil afetará economias da América Latina

O FMI destaca o impacto do que considera uma deterioração das condições políticas no Brasil sobre a economia.

"No Brasil, a confiança das empresas e dos consumidores continua a recuar em grande parte por causa da deterioração das condições políticas, o investimento está em rápido declínio e o necessário aperto na política macroeconômica está pressionando para baixo a demanda doméstica", diz o documento.

_____________________________________________________________________

2. Impacto regional

De acordo com o FMI, a retração "maior do que a esperada" da economia brasileira terá um impacto nos países da América Latina e do Caribe.

O relatório diz que a situação no Brasil terá um "significativo impacto negativo sobre o crescimento de grandes partes da região, dados o tamanho e a interconectividade da economia brasileira".

A previsão é de queda de 0,3% no PIB da região neste ano. Para 2016, um crescimento de 0,8%.

Leia também: Os conselhos dos marqueteiros para Dilma tentar recuperar sua popularidade

Leia também: Como o acaso revelou a fraude que lançou a Volks na pior crise de sua história

_____________________________________________________________________

3. Situação global

Segundo as projeções do FMI, a economia mundial vai crescer 3,1% em 2015, abaixo dos 3,3% previstos anteriormente e dos 3,4% registrados no ano passado.

Em 2016, o avanço deverá ser de 3,6%, projeção menor que os 3,8% estimados anteriormente. Entre as principais economias avançadas e emergentes analisadas, apenas a Rússia e a Venezuela têm projeção de queda maior que o Brasil.

Para a Rússia, a contração está prevista em 3,8% neste ano. No caso da Venezuela, a previsão de queda é de 10% neste ano e de 6% em 2016.

Leia também: Sete gráficos para entender a impressionante transformação econômica da China

A queda nos preços das commodities é apontada como um dos principais fatores para o que o FMI classifica de "crescimento moderado e desigual" da economia global, com impacto negativo principalmente sobre economias emergentes.

O relatório também menciona mudanças na economia chinesa e a perspectiva de aumento de juros nos Estados Unidos.

_____________________________________________________________________

4. Inflação

Direito de imagem Reuters
Image caption Inflação será menor em 2016 do que neste ano segundo relatório do FMI, organismo chefiado por Christine Lagarde (acima)

O relatório prevê que a inflação no Brasil fique em média em 8,9% em 2015, acima do teto da meta estabelecida pelo governo (de 6,5%).

Segundo o FMI, essa projeção reflete um ajuste nos preços administrados e depreciação da taxa de câmbio, com o real desvalorizado perante o dólar.

No próximo ano, a inflação deve ficar em 6,3%, seguindo tendência de declínio prevista para as economias emergentes.

Leia também: Demissões em alta: Quatro dicas de como usar a internet para buscar emprego

Segundo o FMI, a inflação deve convergir para o centro da meta (4,5%) nos próximos dois anos.

Quando considerada a inflação acumulada em 12 meses, a projeção do FMI é de 9,3% neste ano e 5,5% em 2016.

_____________________________________________________________________

5. Reformas

O relatório traz sugestões de reformas para o Brasil e outras economias emergentes.

Segundo o FMI, países como Brasil, Indonésia e Rússia deveriam relaxar limites sobre comércio e investimentos e melhorar as condições de negócios.

Outra sugestão para o Brasil é a implementação de reformas na educação e no mercado de trabalho que aumentem a competitividade e a produtividade.

Leia mais: Cortar ministérios é pouco: economistas defendem reformas estruturais