Milhares se engajam em busca por garoto sírio de 5 anos perdido na Europa

Direito de imagem Reproducao

Um garoto de cinco anos chamado Azam está entre os milhares de refugiados em trânsito pela Europa. O menino se feriu gravemente, em um provável acidente de carro, e ainda deve estar precisando de ajuda médica.

Após o garoto aparecer no programa Panorama, da BBC, europeus começaram a usar uma hashtag no Twitter para tentar localizá-lo.

A busca começou por iniciativa do público. Depois da exibição da história do garoto na TV, em 30 de setembro, #Find Azam (Encontre Azam) foi lançada pela usuária do Twitter Rosie Bloom, que escreveu: "Um garotinho, Azam, está por aí com a mandíbula quebrada e sem pais. Essa era a história a ser seguida, Panorama".

Durante a noite, usuários começaram a enviar tuítes para a conta do BBC Panorama e para o apresentador do programa, John Sweeney.

A hashtag entrou na lista de mais usadas no Reino Unido em 1º de outubro. Desde então já foi empregada mais de 8.000 vezes, em locais como Áustria, Alemanha, França e Suécia.

Havia algo claramente perturbador nas imagens do menino. O pequeno Azam, de grandes olhos castanhos e cabelos negros, tinha um olho roxo e uma grande atadura na mandíbula inchada.

A equipe do BBC Panorama estava em um centro de recepção a refugiados em uma cidade de fronteira na Sérvia.

O homem que conduzia Azam vestia uma jaqueta de couro e disse à equipe, em árabe, que o menino havia se machucado em um acidente com um carro na Macedônia: "Ele estava dormindo no chão e um táxi o atropelou."

Leia também: Como foto mudou vida de menino filipino que estudava sob luz do McDonald's

Image caption Em imagem captada pelo programa da BBC, homem disse ser pai de Azam - o que o menino negou depois

O homem da jaqueta de couro disse que a mãe de Azam estava na Turquia. E o pai? Ele apontou para um outro homem, que vestia uma camiseta rosa. Azam e seu suposto pai viajavam em um grupo de 13 homens.

O apresentador John Sweeney disse ter imaginado que o menino tivesse fraturado o queixo, mas ouviu de seus acompanhantes que ele passara por um raio-X na Macedônia e que não havia fratura. Então o grupo seguiu para os trâmites de registro pelas autoridades sérvias.

A guerra na Síria já causou 250 mil mortes, e muitas dessas vítimas são crianças. Para quem vê de fora, é quase impossível imaginar o quão sombrio o conflito pode ser.

Versão questionada

No dia seguinte, a equipe da BBC estava em Belgrado, capital da Sérvia, e chovia muito. Um parque ao lado da estação de ônibus da cidade, o ponto de parada para pessoas na estrada, era uma confusão de lama e gente.

Foi quando a equipe encontrou Azam de novo, urrando de dor enquanto um médico sérvio limpava sua mandíbula. "Quero minha mamãe", disse o menino. Ele estava sozinho.

A médica Radmila Kosic coordenava um centro médico improvisado numa barraca. E disse a Sweeney: "Vamos apenas tratar esse machucado e enviá-lo numa ambulância a um hospital."

Sweeney perguntou pelo pai de Azam, e a médica disse que ele estava por ali havia um minuto. O apresentador estranhou o fato de um pai não estar por perto enquanto seu filho chorava de dor.

O intérprete da equipe conversou com Azam e algo não batia. Ele não falava claramente pela mandíbula machucada, mas a questão é que seu "pai" não era seu pai, mas um "tio". O pai real ainda estava na Turquia.

Daí o homem que dizia ser pai de Azam apareceu. Preocupado, o intérprete questionou o homem a respeito, e ele disse: "Sou o pai dele."

A equipe não teve como comprovar o que o homem dizia. Seja quem fosse, pai ou tio, ele não parecia disposto a esperar Azam ser tratado em um hospital por muito tempo. Afirmou ao intérprete que iria pressionar os médicos para poder ir logo ao norte da Europa: "Vou ver como as coisas andam, mas vou embora amanhã de qualquer jeito."

Leia também: Veja lista de vendedores do Nobel da Paz dos últimos 25 anos

Image caption Repórter da BBC John Sweeney conversa com Azam em um centro médico improvisado em Belgrado

Sumiço

No caos do momento, a última frase do homem não foi traduzida ao pé da letra, e claramente a atitude dele mudou quando ele e Azam entraram na ambulância rumo ao hospital. Foi a última vez que o apresentador viu Azam.

Cerca de uma hora depois a equipe teve uma atualização sobre o estado do menino. Um raio-X havia confirmado que sua mandíbula estava quebrada. A médica Kosic disse: "Ele vai ficar internado por vários dias, tenho certeza."

Só que isso não aconteceu. A equipe da BBC soube depois que antes que Azam Aldaham pudesse receber o tratamento que tanto precisava, ele e o homem tinham desaparecido.

Sweeney diz que, olhando em retrospectiva, foi um daqueles momentos terríveis quando seus instintos humanos e de pai percebem que algo está errado. Mas havia tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, diz o apresentador, que a equipe pensou que ele estaria bem quando entrou na ambulância.

Leia também: 70 anos após fim da guerra, estupro coletivo de alemãs ainda é episódio pouco conhecido

Direito de imagem Reproducao
Image caption Ativista Bianca Jagger foi uma das pessoas que se mobilizaram na internet para tentar ajudar a encontrar o garoto

A dimensão da busca nas redes sociais por Azam foi amplificada por contas da BBC usando a hashtag e pelo próprio repórter John Sweeney. Usuários do Twitter começaram a escrever sobre o caso para a Interpol, a polícia internacional, e para outras organizações humanitárias.

A hashtag foi divulgada na imprensa de países como Estados Unidos, Sérvia, Espanha e Austrália, e pela ativista de direitos humanos Bianca Jagger.

Mas apesar de todos os tuítes, há provas de que campanhas em mídias sociais podem ajudar a localizar imigrantes? A hashtag está sendo usada sobretudo em inglês, e não em árabe, o que pode limitar o alcance da campanha entre outros refugiados sírios. Por outro lado, há muitos imigrantes sírios usando o Facebook para encontrar parentes e amigos desaparecidos em jornadas em busca de refúgio pela Europa.

Nos últimos dias, a busca continua a se espalhar, com mais de mil publicações no Facebook. O braço da ONU (Organização das Nações Unidas) para refugiados também tuitou sobre Azam, informando desconhecer o paradeiro do garoto, mas esperar que "ele esteja sendo tratado".