Por que o LinkedIn pode ter que te pagar até R$ 5,8 mil

(Foto: AP) Direito de imagem AP
Image caption Rede social de contatos profissionais concordou em pagar indenização por envio de spam

Pode ser que o LinkedIn lhe deva dinheiro e você nem saiba disso. E pode ser que o site já tenha entrado em contato por e-mail para fazer o pagamento e essa mensagem tenha passado despercebida em sua abarrotada "Caixa de Entrada".

Talvez valha a pena verificar isso, já que a rede social de contatos profissionais se comprometeu em pagar uma indenização de US$ 13 milhões (R$ 50 milhões) em vez de continuar brigando judicialmente com um escritório de advocacia dos EUA que entrou com uma ação coletiva acusando a empresa de enviar spam aos e-mails de usuários e de seus contatos.

E avisou nesta semana, curiosamente também por e-mail, aos afetados pelo problema.

A culpa por esse deslize do LinkedIn está em seu sistema de adicionar conexões, que permite importar os contatos pessoais de seu e-mail.

O problema começa quando um desses contatos recebe o convite para ser adicionado na rede social, mas recusa. A partir daí, ele passa a receber outros e-mails com o mesmo intuito, mas sem consentimento do usuário original, que, na verdade, não está insistindo em convidar o amigo.

Leia também: Milhares se engajam em busca por garoto sírio de 5 anos perdido na Europa

Leia também: Como prisioneiros venceram alunos de Harvard em debate nos EUA

Quem tem direito e quanto pode cobrar

O acordo estabelece que têm direito a reclamar sua parte da indenização todos os usuários que utilizaram o sistema de adicionar contatos entre 17 de setembro de 2011 e 31 de outubro de 2014, segundo o escritório de advocacia responsável pela demanda, o Gilardi & Co.

Cada usuário poderá reclamar no máximo US$ 1,5 mil (R$ 5,8 mil na cotação atual) ao preencher um formulário em que reivindica a indenização.

Direito de imagem LINKEDIN
Image caption Problema está no envio (ou melhor, no reenvio) de convites a contatos importados de seu e-mail

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook

Porém, é improvável que esse valor máximo seja alcançado, uma vez que o montante total prometido pelo LInkedIn terá que ser repartido entre milhões de usuários.

A rede social tem hoje mais de 380 milhões de usuários.

O acordo estabelece que o site adicionará US$ 750 mil (R$ 2,9 milhões) aos US$ 13 milhões (R$ 50 milhões) já comprometidos com a indenização caso o valor correspondente a cada reclamante não supere os US$ 10 (R$ 38,5), como se prevê.

Ou seja: pelo jeito ninguém vai ficar rico com o acordo – e nem ao menos conseguir pagar umas férias.

O que diz o LinkedIn

A rede social aceitou o acordo, relutantemente, após um tribunal norte-americano entender, em primeira instância, que "os membros consentiram em importar seus contatos e com o envio do convite de conexão", mas "não consentiram" com o envio das mensagens de lembrete do convite.

O LinkedIn entende que muitas das "acusações eram falsas", mas decidiu "resolver esse caso" para assim "poder se dedicar" a melhorar o serviço para seus usuários.

Para não ter mais esse tipo de problema, a empresa decidiu tornar a questão mais clara em suas cláusulas de privacidade.