O emprego disputado por 2,3 milhões de candidatos

Direito de imagem AP
Image caption Candidatos a emprego fazem fila em Uttar Pradesh em 2012, cena que se repetiu com novo concurso

Se dói saber que dezenas de outras pessoas estão disputando aquele emprego com que você tanto sonha, o que dizer quando há mais de 2,3 milhões de candidatos no páreo?

É o que está acontecendo no Estado de Uttar Pradesh, o mais populoso da Índia. O governo local anunciou 368 vagas para cargos administrativos de nível básico e recebeu essa enorme quantidade de candidaturas.

O anúncio pedia pessoas com idades entre 18 e 40 anos, com curso primário completo e que soubessem andar de bicicleta. Mas as autoridades se surpreenderam ao receber currículos de dezenas de milhares de pessoas com curso superior e até títulos de mestrado ou doutorado.

Os funcionários contratados farão trabalhos como faxina, serviço de copa e cozinha e vigilância noturna. O salário inicial é de cerca de 15,6 mil rúpias (cerca de R$ 917) por mês – isso é mais do que a estimativa do Banco Mundial para a renda média mensal de um indiano, de 8.785 rúpias (R$ 516).

Leia também: O que os juristas que redigiram impeachment de Collor pensam sobre Dilma?

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook

Seleção de quatro anos

Apesar de a taxa de desemprego nacional da Índia estar abaixo de 5%, a abertura de novas vagas é algo raro, em parte por causa da grande densidade populacional do país e do sistema rígido de leis trabalhistas.

Empregos públicos são mais prestigiados entre os indianos do que vagas no setor privado, por serem bem remunerados e garantirem mais estabilidade a longo prazo.

Em Uttar Pradesh, dezenas de milhares de pessoas estão desempregadas. O Estado tem 215 milhões de habitantes e deve abrigar 13,2 milhões de jovens desempregados até 2017.

Em entrevista à BBC Hindi, Prabhat Mittal, secretário administrativo do governo de Uttar Pradesh, prevê que o processo de seleção para esse concurso dure quatro anos. “Se fizermos dez entrevistas, com 200 candidatos por dia, 25 dias por mês, vamos precisar de todo esse tempo para chegarmos aos finalistas”, disse.

“Não tínhamos previsto essa situação. Em 2006, abrimos 260 vagas e recebemos 100 mil inscrições”, afirmou.

Em outras partes da Índia, a abertura de cargos governamentais também atraiu multidões recentemente. No início deste ano, várias pessoas ficaram feridas ao serem pisoteadas quando milhares apareceram para tentar uma vaga no Exército, na cidade de Visakhapatnam.

Em 2010, um homem morreu e 11 ficaram feridos em uma confusão gerada pela presença de 10 mil candidatos em um concurso da polícia em Mumbai.

Apesar da baixa probabilidade de ter de disputar um emprego com outros 2,3 milhões de pessoas, ter um currículo que se destaque é crucial em qualquer processo de seleção, em todo o mundo.

Especialistas em recrutamento recomendam tentar fazer do currículo uma narrativa da sua vida profissional, em vez de uma lista genérica de funções. Segundo eles, também é importante customizar o currículo de acordo com a vaga ou a empresa às quais se está pedindo o emprego, para transmitir uma impressão de interesse genuíno.

Leia mais: Diversão obrigatória: a aposta das empresas para atrair jovens

Leia mais: O eterno dilema entre tempo livre ou mais dinheiro

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site da BBC Capital