Indígenas dos cinco continentes participam de Jogos inéditos

Foto: Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Garota da tribo Xambioá (Tocantins) em Palmas para a primeira edição dos Jogos Mundiais Indígenas

Até o dia 31 de outubro, Palmas, a capital do Tocantins, sedia a primeira edição dos Jogos Mundiais Indígenas, com cerca de mil atletas brasileiros e 700 vindos de países como Rússia, Nova Zelândia, Estados Unidos, Canadá, Colômbia, Mongólia, Chile, Etiópia e Finlândia.

Os Jogos Indígenas já tiveram 12 edições nacionais, desde 1996, em diferentes cidades do país, com apoio do governo federal, patrocínio das prefeituras e, eventualmente, de estatais como Caixa Econômica e Eletrobras.

Mas o primeiro evento esportivo e cultural internacional foi ideia dos povos brasileiros terenas e pode impulsionar a criação de uma espécie de comitê para organizar as próximas edições no exterior.

Mais de 20 etnias brasileiras – como os Xerente (os anfitriões, do Tocantins), Bororo Boe (Mato Grosso), Asurini (Pará), Pataxó (Bahia) e Canela (Maranhão) – participam dos Jogos.

O evento, no entanto, também foi boicotado por etnias como os Krahô e os Apinajé, pelo que dizem ser um "momento difícil" para os povos brasileiros, com a demora na demarcação de terras, conflitos violentos com fazendeiros e invasões de territórios já homologados por madeireiros e garimpeiros.

Os Guarani-Kaiowá, presentes nos noticiários pelo alto índice de mortes relacionadas com conflitos pela terra no Mato Grosso do Sul, estão divididos: há delegação da etnia em Palmas, mas algumas lideranças também criticaram o evento em uma carta.

Leia mais: Brasil é cobrado na OEA por violência contra índios

Direito de imagem Reuters
Image caption Mulheres do povo Caiapó (Pará); jogos internacionais foram ideia de povos terenas
Direito de imagem Reuters
Image caption Na chegada em Palmas, diversos índios como este Caiapó tiravam fotos da reunião de povos nativos em smartphones
Direito de imagem Reuters
Image caption Os Guarani-Kaiowá enviaram uma delegação de atletas (foto) a Palmas, mas alguns líderes criticaram o evento
Direito de imagem AP
Image caption Carajás protestaram contra a PEC 215, que transfere para o Congresso a atribuição de aprovar a oficialização de terras indígenas
Direito de imagem AP
Image caption Índios Kuikuro (Mato Grosso) apresentam dança tradicional no festival cultural que precedeu os Jogos Indígenas
Direito de imagem Reuters
Image caption Com uniformes e adereços tradicionais, índios caiapó esperam sua vez na competição de futebol
Direito de imagem AP
Image caption Reunindo indígenas de 24 países, o evento possibilita encontros como este de uma índia da Sibéria, na Rússia, com nativos do Panamá
Direito de imagem AFP
Image caption Os olhos arregalados e a língua de fora são uma expressão facial tradicional do maori, da Nova Zelândia, para demonstrar força e emoção

Os Jogos Indígenas misturam competições esportivas com modalidades de "demonstração", em que povos fazem apresentações de alguns de seus esportes tradicionais, e atividades culturais.

Entre os esportes de competição estão o futebol masculino e feminino, o arco e flecha e a corrida com toras e a natação. Entretanto, os países não competem necessariamente em todas elas. Algumas serão disputadas só por brasileiros.

Os atletas são escolhidos pelos chefes de cada tribo convidada a participar dos Jogos.

Leia mais: Jogos Mundiais Indígenas enfrentam boicote em protesto contra governo

Direito de imagem Reuters
Image caption Pataxós assistem a um jogo de futebol de seus atletas contra os Xerente
Direito de imagem AP
Image caption Na cerimônia de abertura, indígenas dos Estados Unidos fazem uma apresentação
Direito de imagem AFP
Image caption Nativos do Canadá demonstraram suas exuberantes vestimentas tradicionais
Direito de imagem Reuters
Image caption A abertura dos jogos também foi marcada por protestos pela demarcação de terras indígenas e pelo fim dos confrontos com fazendeiros

Neste domingo, segundo a Agência Brasil, os indígenas da Mongólia impressionaram os espectadores em uma demonstração de destreza e precisão no arco e flecha.

Os mexicanos também jogaram a pelota mixteca, semelhante ao tênis, em que rebatem uma bola de 900 gramas para o time adversário com a ajuda de uma pesada luva de couro cheia de cravos de metal.

Já os brasileiros caiapós demonstraram o rõnkran, em que usam bastões para conduzir um coco de babaçu até o campo do adversário e ganhar pontos.

E os índios pataxós praticaram a corrida de maracá, em que revezam um chocalho tradicional.

Direito de imagem Getty
Image caption A corrida com toras é um dos esportes tradicionais em que as tribos irão competir durante a semana dos Jogos
Direito de imagem AP
Image caption Indígenas da Mongólia, homens e mulheres, impressionaram os espectadores em demonstração de arco e flecha
Direito de imagem AP
Image caption Índios brasileiros e maoris se juntaram durante as demonstrações de arco e flecha em Palmas
Direito de imagem EPA
Image caption Um desfile de beleza indígena teve 50 mulheres de diversas etnias com seus trajes típicos, como esta índia russa
Direito de imagem AFP
Image caption Índia da Guiana Francesa participa de desfile de beleza indígena, parte da programação cultural dos Jogos
Direito de imagem Getty
Image caption Os caiapós demonstraram o jogo rõnkran, espécie de hóquei em que eles usam um bastão para conduzir um coco de babaçu até o outro lado do campo