Partes de Londres têm incidência de tuberculose maior que o Iraque

Direito de imagem AP
Image caption Tuberculose mata 1,5 milhão de pessoas por ano, segundo OMS

As milhares de vítimas anuais da tuberculose não se concentram apenas nos países subdesenvolvidos. Algumas regiões da capital britânica, Londres, têm registrado índices surpreendentes que superam até os de países como Iraque e Ruanda.

Um terço das subprefeituras londrinas sofre com altas taxas de tuberculose, com média de 40 casos a cada 100 mil habitantes, segundo um relatório divulgado pela Assembleia Municipal de Londres.

Os dados locais contrastam bastante com os números de tuberculose da própria Inglaterra, que tem 13 casos em média para cada 100 mil habitantes. Enquanto a taxa de incidência de tuberculose no Reino Unido tem caído, entre os londrinos ela tem aumentado.

Segundo o relatório, presos, moradores de rua, usuários de drogas, refugiados e imigrantes estão entre os grupos mais vulneráveis à doença. "Londres também tem um número significativo de pessoas com doenças pré-existentes, como HIV e diabetes, que aumentam o risco de desenvolvimento da tuberculose", diz o relatório.

A persistência da doença na capital britânica é atribuída também a focos de más condições de moradia e nutrição. E mais de 80% dos casos de tuberculose entre londrinos ocorrem em pessoas nascidas no exterior.

Há, inclusive, algumas regiões de Londres com taxas ainda mais expressivas do que a média geral. A subprefeitura de Londres com a maior incidência de tuberculosos é Newham (leste), com 107 casos por 100 mil habitantes. Números da OMS de 2013 mostram que Ruanda, por exemplo, tem 69 casos por 100 mil habitantes, e o Iraque tem 45.

Leia mais: Conheça os britânicos que se preparam para o fim do mundo

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook e no Twitter

No Brasil, houve uma redução recente de casos de tuberculose, mas o país ainda ocupa a 17ª posição no ranking dos países que mais têm casos da doença no mundo. A média brasileira é de 33,5 casos a cada 100 mil habitantes.

Há lugares, porém, onde as condições são mais precárias, e as taxas de tuberculosos são muito maiores. É o caso da favela da Rocinha, no Rio, por exemplo, que contabiliza 372 casos por 100 mil habitantes – índice 11 vezes maior do que o do país.

A doença matou em 2013 cerca de 1,5 milhão de pessoas no mundo, segundo a OMS.

Prevenção

A bactéria causadora da tuberculose é a Mycobacterium tuberculosis. Algumas variações da doença já são resistentes a antibióticos, e o custo para o tratamento nesses casos pode chegar ao equivalente a mais de R$ 3 milhões por paciente.

Direito de imagem spl
Image caption Bactéria Mycobacterium tuberculosis é a causadora da doença

Diante disso, a Assembleia Municipal de Londres está pedindo ao prefeito Boris Johnson que promova campanhas de prevenção e educação sobre a tuberculose, justificando que muitas pessoas na capital inglesa não têm informações sobre a doença nem sabem como ela se espalha.

Mais da metade dos londrinos disse achar que a doença se transmite pelas gotas de saliva expelidas ao tossir. Mas, na verdade, a tuberculose só se espalha em caso de contato prolongado com alguém que esteja tossindo e espirrando constantemente.

Leia mais: O homem que sobreviveu a 8 campos de concentração nazistas

"A prevenção é ruim, e as pessoas ainda não têm consciência da doença. (Há desinformação) até entre profissionais da medicina", disse Onkar Sahota, chefe do comitê de saúde da Assembleia Municipal de Londres.

Segundo ele, o tratamento para as variações "resistentes" da doença é "caro e complicado".

Apesar de a vacina contra a tuberculose ser recomendada para todos os recém-nascidos, muitos postos de saúde londrinos não oferecem a vacinação.

A Assembleia destacou que é "inaceitável que crianças sejam colocadas em risco de desenvolver uma doença potencialmente fatal apenas por terem ‘nascido na subprefeitura errada’".

A prefeitura ainda não se manifestou sobre o relatório.

Direito de imagem Science Photo Library
Image caption Vacinação ainda é um problema, tanto em Londres, quanto no Brasil - nem todos os postos de saúde oferecem a vacina BCG

Situação no Brasil

Em março deste ano, o Ministério da Saúde brasileiro divulgou dados positivos sobre a diminuição da tuberculose nos últimos 10 anos. Houve uma redução de 22,8% na incidência entre 2004 e 2014 – eram 43,4 casos a cada 100 mil habitantes e agora são 33,5.

O ministério assumiu o compromisso de reduzir em 95% as mortes causadas por tuberculose no país até 2035, e em 90% a incidência da doença.

Ainda assim, há regiões bastante críticas. O Rio de Janeiro tem a maior média de casos do país, com 68,64 a cada 100 mil habitantes.

Leia mais: O novo aplicativo preferido do 'Estado Islâmico'

Os sintomas mais comuns da tuberculose são tosse com secreção, febre, suor noturno, falta de apetite, cansaço e dores musculares. O tratamento tradicional consiste em antibióticos ingeridos diariamente, por seis meses.

No Brasil, uma das dificuldades para diminuir a incidência da tuberculose é a distribuição da vacina BCG entre recém-nascidos. Mas não há postos de saúde em todos os Estados do país que disponibilizem a vacinação contra a doença.