#PrimeiroAssédio: Maioria de participantes de campanha sofreu 1º abuso entre 9 e 10 anos

  • 28 outubro 2015
Reproducao Direito de imagem Reproducao
Image caption Comentários de cunho sexual sobre participante de programa de culinária deram origem à campanha

Um levantamento feito pelos criadores da hashtag #PrimeiroAssédio mostrou que a maioria das vítimas que compartilhou sua história nas redes sociais durante a campanha foi assediada pela primeira vez quando tinha entre 9 e 10 anos de idade.

A campanha surgiu no Twitter há uma semana e levou milhares de mulheres a contarem sobre a primeira vez em que sofreram assédio sexual.

A hashtag foi lançada por Juliana de Faria, fundadora do coletivo feminista Think Olga e criadora da campanha Chega de Fiu Fiu, depois que uma criança de 12 anos que participa do programa de culinária MasterChef Júnior foi vítima de comentários de teor sexual na internet.

De acordo com levantamento do Think Olga, a hashtag foi usada mais de 82 mil vezes até o último domingo. Desses, foram identificados 3.111 tuítes em que as mulheres mencionaram a idade que tinham quando sofreram o assédio. A média de idade foi de 9,7 anos.

Leia também: Vítima na infância estimula milhares de denúncias de #PrimeiroAssédio após polêmica do MasterChef

Image caption Gráfico do Think Olga a partir da campanha online mostra percentual de menções de primeiros assédios por idade

"A campanha #PrimeiroAssédio veio consolidar (a percepção de) que existe uma sexualização da menina e que isso é absolutamente normalizado na sociedade", diz Juliana. "A gente acha que pedofilia é muito distante, mas não é. Pela hashtag, vemos que é muito mais próxima do que a gente imagina e que talvez seja até endêmica, um traço muito forte do que acontece na sociedade."

Juliana afirma que é preciso buscar outros dados sobre o assunto, mas diz que a conclusão do levantamento é preocupante.

Leia também: Apresentadora sofre assédio sexual ao vivo na TV mexicana

"É absurdamente preocupante pensar que não está nas mãos das mulheres decidir quando começar a vida sexual delas. A gente passa por um ritual cruel muito antes de estarmos preparadas", afirma ela, que deu início à campanha contando sua própria experiência, de ter sofrido assédio aos 11 anos de idade.

Casa, pai e escola

O levantamento do Think Olga também fez uma nuvem de palavras para identificar as mais citadas nos tuítes.

Entre as palavras que aparecem estão "casa", "pai" e "escola".

Image caption Gráfico do Think Olga com as palavras mencionadas pelas mulheres que deram depoimento à campanha

Segundo Juliana, é sabido que grande parte dos abusos acontece na infância, são praticados por conhecidos e normalmente em uma casa, da própria vítima ou de alguém em que ela confia.

Leia também: Faxineira confunde obra de arte com sujeira pós-festa e 'faz limpeza' em museu

"(Assédios) acontecem numa relação de confiança. A gente acha que machistas criminosos, pedófilos, são pessoas sem rosto, monstros andando na rua de capuz, mas não, são homens integrados na sociedade, com família, emprego, às vezes doutorado. Precisamos parar de tratar esse criminosos como loucos que não estão integrados na sociedade", diz ela.

A ativista afirma que, ao mesmo tempo em que essa proximidade traz desafios, tem um lado bom por indicar que a solução também está mais próxima. "Não estamos tentando lutar contra um monstro desconhecido", diz.

O aparecimento da palavra "escola" na nuvem também chamou atenção da criadora da campanha.

"Não tenho dados brasileiros, mas uma pesquisa no Reino Unido mostra que 1 em cada 3 meninas já tinha sofrido assédio físico na escola. É urgente ter educação de gênero na primeira infância."

Valentina

A campanha #PrimeiroAssédio surgiu após a candidata Valentina, do programa MasterChef Júnior, na Band, ter sido alvo de inúmeros comentários na internet - não sobre suas habilidades culinárias, mas de cunho sexual.

"Sobre essa Valentina: se tiver consenso, é pedofilia?", dizia um dos tuítes a respeito da garota de 12 anos.

Direito de imagem Reproducao

A reação nas redes veio com os relatos de assédios sofridos na infância e na adolescência.

Algumas mulheres contaram casos que viveram aos sete, seis ou mesmo cinco anos de idade.

Uma delas disse que, aos sete anos, enquanto brincava com as amigas, percebeu um homem atrás de um poste se masturbando. Outra conta que, aos nove, sofreu uma tentativa de estupro de um dos funcionários que trabalhavam para o pai.

O Brasil tem 52 mil mulheres estupradas por ano, segundo os números de boletins de ocorrência registrados. Mas o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) estima que 500 mil mulheres são vítimas de estupro a cada ano no país e, dessas, 70% são crianças e adolescentes – sendo 51% menores de 13 anos.