O autodidata de 16 anos eleito 'Fotógrafo do Ano'

David Uzochukwu Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption ‘Cry me a river’, vencedor do concurso EyeEm 2014, foi realizado um ano antes, quando Uzochukwu tinha apenas 14 anos, e é o primeiro auto-retrato do qual ele diz ter 'genuinamente' gostado.

Um fotógrafo de 16 anos está causando sensação na Europa pela qualidade de seu trabalho e seu precoce percurso autodidata.

David Uzochukwu pegou pela primeira vez uma câmera quando tinha dez anos. Aos treze, as fotos de viagens de família feitas com o equipamento barato da mãe deram lugar a elaborados autorretratos conceituais.

Dois anos mais tarde, em 2014, foi eleito 'Fotógrafo do Ano' entre 15 mil competidores de 150 países no prestigioso concurso EyeEm, realizado em Berlim.

"No minuto que descobrimos o perfil de David entre os candidatos soubemos que estávamos diante de algo especial", afirmou à BBC Brasil Severin Matusek, membro do júri do concurso, que descreve Uzochukwu como "um artista excepcional".

"Aos 15 anos, ele era capaz de criar com suas fotos uma atmosfera única, que gera imediatamente uma conexão emocional entre o sujeito, que muitas vezes é ele próprio, e o público."

Leia também: Fotógrafa reencena drama real de crianças criadas por animais

Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption Uzochukwu diz ter uma 'conexão emocional' com esta foto, que o retrata flutuando em uma lagoa gelada no final do inverno
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption 'Quando olho para esta foto, posso realmente sentir uma conexão com o personagem', afirma o fotógrafo.
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption ‘Monolith’ é a imagem preferida de Uzochukwu entre todas as que já realizou, 'muitas delas planejadas durante dias'

O trabalho do jovem já foi exposto em galerias em Paris, Nova York, Toronto, Duesseldorf, Tóquio e Londres, conquistou os prêmios Canon x Exhibitr Student Photography Award e Flickr 20 Under 20.

Também chamou a atenção da agência francesa Iconoclast Image, que desde o começo do ano representa Uzochukwu.

Mas para o artista, a fotografia segue sendo um hobby, mais que um trabalho.

"Só fotografo o que me dá prazer. No vejo sentido em fazer um trabalho com o qual não possa me identificar. Quero oferecer um trabalho sincero. E por enquanto não tenho contas a pagar", disse em entrevista à BBC Brasil.

Leia também: O que explica a força de Eduardo Cunha para continuar na Presidência da Câmara?

Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption 'Tinha muito medo de errar para pedir que alguém me deixasse tirar seu retrato.'
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption Com o auto-retrato, ele diz que se sentia livre para fotografar 'por quanto tempo fosse necessário, sem depender de alguém que sacrificasse seu tempo ou que estivesse disposto a sofrer'
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption Mas o fotógrafo admite que estar envolvido em todos os aspectos de uma imagem é algo 'catártico' e 'insanamente recompensador'

"Meu negócio sempre foi tentativa e erro, e alguns tutoriais online. Acho divertido descobrir uma ferramenta com o tempo, experimentando", explicou.

Para ter liberdade para refazer uma mesma imagem repetidas vezes, Uzochukwu optou por começar a fotografar autorretratos.

Leia também: Os microrganismos 'bons' transmitidos durante o sexo

Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption Realizada durante uma viagem de carro pela costa do Pacífico entre o Canadá e os Estados Unidos, esta foto é para Uzochukwu uma lembrança “de como sempre há algum amigo de quem sinto falta do outro lado do mundo”.
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption As imagens também refletem a ligação do artista com a natureza e sua paixão pela dança e pela literatura
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption Segundo Uzochukwu, essa foto, intitulada 'Gather force from the sea’, “encapsula (sua) relação com a natureza”.

Suas fotos foram associadas a sensações como melancolia, influenciadas, talvez, pelas experiências de vida do jovem nascido na Áustria de pai nigeriano e mãe austríaca, ambos sem qualquer conexão com o mundo da arte.

Uzochukwu se mudou para Bruxelas há pouco mais de um ano em companhia da mãe e da irmã, deixando o pai em Luxemburgo, para onde a família tinha se mudado quando o garoto tinha seis anos.

"Tudo isso me moldou. É de partir o coração e, ao mesmo tempo, rejuvenescedor ter uma visão interior de diferentes países e cidades com atmosferas muito diferentes. Também faz com que eu sempre sinta saudade de alguém", explicou à BBC Brasil.

Leia também: Os elementos do seu dia a dia que causam câncer

Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption 'Nunca me sinto tão livre como no mar', afirma
Direito de imagem David Uzochukwu
Image caption O fotógrafo garante que só gosta de suas imagens 'se a razão pela qual as fiz é forte o suficiente para segurar a atenção por algum tempo'

Atualmente, Uzochukwu cursa o último ano do ensino secundário e divide seu tempo livre entre a fotografia e em preparar cartas se candidatando a vagas em universidades.

"Estou procurando faculdades de cinema, mas também considero aulas de filosofia ou biologia. Eu meio que só quero aprender!", afirma.