Funcionário que 'antecipou' queda do Muro de Berlim morre aos 86

Direito de imagem EPA
Image caption Abertura das fronteiras entre as Alemanhas foi acelerada por um erro de comunicação de Günter Schabowski

Um funcionário da ex-Alemanha Oriental que acabou antecipando a queda do Muro de Berlim morreu neste domingo aos 86 anos.

Günter Schabowski era porta-voz do governo da então Alemanha Oriental.

Leia também: Como a Alemanha Oriental 'vendia' pessoas contrárias ao regime

Em 9 de novembro de 1989, ele anunciou a nova legislação sobre viagens do país e, em um mal-entendido ao responder a um jornalista, disse que restrições que existiam à época seriam extintas imediatamente.

Como a entrevista foi transmitida ao vivo, uma multidão de cidadãos da Alemanha Oriental, de regime comunista, se dirigiu à fronteira interna em Berlim, motivando a derrubada da barreira.

As medidas da então República Democrática Alemã tinham por objetivo conter o êxodo de cidadãos para a Hungria, em meio a protestos por reformas políticas.

Menos de um ano após o episódio, a Alemanha se reunificou, encerrando 45 anos de divisão.

'Sem demora'

Schabowski era porta-voz da Alemanha Oriental em um momento em que regimes comunistas pelo leste europeu enfrentavam intensas manifestações populares.

O governo decidira facilitar as viagens de cidadãos para o oeste da Europa, numa tentativa de conter o fluxo de pessoas para a Hungria, que havia aberto sua fronteira oeste.

Direito de imagem AFP
Image caption Em autobiografia, Schabowski criticou o regime comunista alemão, do qual foi porta-voz

A entrevista que entrou para a história visava detalhar tais mudanças, mas Schabowski acabou antecipando o anúncio que seria feito apenas na manhã seguinte, para uma mudança gradual.

Questionado sobre quando as novas regras entrariam em vigor, ele respondeu: "Isso ocorre, pelo que sei... imediatamente... sem demora."

Em 1997, Schabowski foi condenado a três anos de prisão por participação na política da Alemanha Oriental de atirar contra quem tentava atravessar para o oeste, mas acabou perdoado após um ano de cadeia.

Em 2009, ele publicou uma autobiografia em que caracterizou o regime comunista alemão como falho.