Britânico planeja primeira travessia do Atlântico a nado ─ da África ao Brasil

(Swim the Big Blue Expedition) Direito de imagem Swim the Big Blue Expedition
Image caption Ben Hooper vai nadar de Dacar (Senegal) a Natal; travessia deve durar quatro meses

Na história da humanidade, 4.100 pessoas já escalaram o Everest, 1.340 nadaram o Canal da Mancha e 12 pisaram na Lua. Mas ninguém nunca atravessou o Oceano Atlântico a nado, de ponta a ponta.

Aos 36 anos, o britânico Ben Hooper quer ser o primeiro. E ele já está acostumado a superar adversidades: sobreviveu a um quadro severo de falência pulmonar quando nasceu e, aos cinco anos, voltou a encarar a morte de perto quando quase morreu afogado em uma piscina.

"Minha paixão pela água só aumentou depois disso".

Ex-policial, Hooper vai percorrer 2.837 km de Dakar, no Senegal, a Natal, no Brasil. Contudo, a travessia, que deve durar quatro meses, não será feita em linha reta, devido à forte correnteza. Em vez disso, ele vai nadar em um estranho formato de "L", seguindo para baixo do Equador para depois subir novamente rumo ao litoral nordestino, explica.

Ele também terá de superar diversos obstáculos, entre eles o tamanho das ondas ─ que podem chegar a 4 metros de altura ("É como se você nadasse uma montanha") ─ e a água, consideravelmente quente e salgada ("incrivelmente horrível, queima o fundo da garganta, especialmente no calor".

Além disso, o ex-policial terá de atravessar uma área infestada de tubarões. Ele conta que usará um tipo de traje de camuflagem. Também lançará mão de um gás experimental ─ que libera um aerossol na água e simula o odor de cartilagem apodrecida desses animais.

"Já nadei com tubarões enquanto treinava na Flórida então não sei se acabei perdendo o medo. Eles parecem dar meia-volta quando me veem (risos). Não estou preocupado. Temos o equipamento necessário para afugentá-los", afirmou.

"Mas não acho que eles sejam o maior obstáculo que vou enfrentar", acrescentou.

No entanto, segundo Hooper, o principal desafio será enfrentar a monotonia ─ ou como manter-se são nadando num horizonte sem fim. "O que você faz para não enlouquecer? Não tenho ideia".

Somente duas pessoas já tentaram cruzar o Atlântico a nado, mas nenhum dos feitos foi ratificado pelo Livro Guinness dos Recordes por causa de falta de transparência sobre o tempo passado dentro d'água e as rotas percorridas.

Direito de imagem Swim the Big Blue Expedition
Image caption Hooper nadará cerca de 23 quilômetros por dia, de oito a nove horas sem parar

Uma delas, Jennifer Figge, admitiu nadar apenas trechos do oceano quando tentou cruzar a nado a distância entre Cabo Verde e Trinidad e Tobago seis anos atrás. A outra foi o francês Benoît Lecomte, que em 1998 disse ter nadado de Massachusetts à Bretanha em 73 dias, feito considerado impossível para Hooper.

"Na minha opinião, seria impossível nadar 6 mil km naquele tempo. Você teria de nadar mais rápido do que Michael Phelps de oito a 12 horas por dia".

Leia também: O que memes com 'menino africano cético' revelam de percepções sobre a África

Alimentação

Hooper mede 1,83 m e pesa 105 kg. Ele afirma que a maior parte de seu peso é músculo, e alega que a gordura excedente será necessária para completar a travessia, durante a qual espera consumir 12 mil calorias por dia. Ele será assistido por uma equipe de oito pessoas, que viajará a seu lado em um catamarã, incluindo um observador para registrar oficialmente sua eventual conquista.

Hooper nadará cerca de 23 quilômetros por dia, de oito a nove horas sem parar. A partida deve acontecer no final deste mês. Enquanto aguarda o dia em que começará a jornada, ele treina diariamente em Cheltenham, na Inglaterra, após uma passagem por um campo de treinamento no Estado americano da Flórida.

"Comecei a me concentrar na técnica e a desenvolver distância, nadando de 15 a 20 km por dia. Paralelamente, me exercitava na academia, com um foco especial nas minhas costas. Como nado crawl, a parte de frente do meu corpo ficou mais forte do que as minhas costas", disse.

Direito de imagem Swim the Big Blue Expedition
Image caption Hooper será acompanhado por especialistas durante travessia

"Vou dormir no barco durante a noite. Dessa forma, reduzo o risco de ser atacado por tubarões e de me distanciar da embarcação", acrescenta.

Leia também: Conta de Instagram coleciona lugares com nomes 'tristes'; veja sete

Inspiração

O ex-policial conta que passou grande parte da adolescência sonhando em se tornar o homem mais jovem a alcançar o Polo Sul e escreveu um e-mail ao explorador britânico Ranulph Fiennes.

"Fiennes me escreveu uma carta maravilhosa de volta me dando conselhos. Foi uma inspiração para mim", disse.

Hooper também teve de levantar recursos para financiar a longa empreitada. Faltam-lhe ainda 50 mil libras (R$ 296 mil) do orçamento inicial de 150 mil libras (R$ 890 mil).

Recentemente separado da mulher, com quem tem uma filha de sete anos, o ex-policial diz ser ela a principal razão para lançar-se ao desafio.

Leia também: O autodidata de 16 anos eleito 'Fotógrafo do Ano'

Notícias relacionadas