O misterioso pedaço de lixo espacial que se dirige à Terra

Direito de imagem Thinkstock
Image caption O objeto deverá cair a cerca de 65 km da costa do Sri Lanka, na Ásia

Ele se chama WT1190F, tem entre um e dois metros e está viajando neste momento em direção à Terra.

Se a trajetória continuar como está previsto, esse misterioso fragmento de lixo espacial entrará na atmosfera terrestre em 13 de novembro (sexta-feira) às 4h19 (horário de Brasília).

Mas não se assuste - o mais provável é que o objeto se desintegre ao entrar em contato com a atmosfera - e se ainda sobrar algum remanescente, cairá no Oceano Índico a cerca de 65 km da costa do Sri Lanka.

Leia também: Como descobrir o que o Facebook sabe sobre você

Mas o que é e de onde saiu esse objeto?

Dadas suas características - seu tamanho e densidade, que indica ser oco -, é muito possível que se trate de um objeto artificial, "uma peça perdida da história espacial que volta para nos perseguir", disse Jonathan McDowell, pesquisador do centro de astrofísica Harvard-Smithsonian, nos Estados Unidos.

Cercados por lixo espacial

Os objetos em torno da Terra

500 mil

fragmentos de 1 a 10 cm

  • Mais de 21 mil pedaços maiores do que 10 cm

  • Mais de 100 milhões pedaços menores do que 1 cm

  • 28.163 km/h velocidade em que viajam

  • 750-800 km distância da Terra em que orbita a maior parte do lixo

Thinkstock

Poderia ser, por exemplo, uma parte de um foguete ou de um painel solar desprendido de missão recente à Lua.

Há ainda a possibilidade de que seja algo bem mais antigo, inclusive da era dos programas Apolo da Nasa (agência espacial americana).

Fora de perigo

O WT1190F foi detectado pelo Catalina Sky Survey, um programa da Universidade do Arizona (EUA) cujo objetivo é descobrir asteroides e cometas que passam perto da Terra.

Intrigados por esse objeto que possui uma órbita fortemente elíptica, os cientistas reconstruíram sua trajetória a partir de observações feitas em 2012 e 2013.

Direito de imagem ESA
Image caption O WT1190F entrará na atmosfera terrestre em 13 de novembro de 2015.

Sua chegada, por sorte, não representa perigo devido a sua massa e ao local previsto para a queda.

Mas promete ser um belo fenômeno para observação, já que por alguns momentos o fragmento se tornará brilhante no céu. Será, sobretudo, uma grande oportunidade para coleta de informações e ampliação do conhecimento sobre a reação dos objetos ao atravessar a atmosfera.

Leia também: Por que 3x5 não é igual a 5x3: uma simples conta que está dividindo a internet

Isso permitirá melhorar os modelos orbitais e as ferramentas para prever o reingresso de objetos na Terra.

Por outro lado, servirá para colocar à prova os planos que os astrônomos preparam para uma eventual aproximação à Terra de um objeto perigoso.

Atualmente há 20 objetos artificiais identificados nessa categoria, que se movem em órbita distante.

Porém estima-se que o número seja muito maior, embora seja impossível precisar a quantidade.

De acordo com dados mais recente da Nasa e da Agência Espacial Europeia, há cerca de 500 mil fragmentos de lixo espacial entre 1 e 10 cm orbitando nosso planeta.