Os mitos e as verdades sobre o ebola

Ebola (Thinkstock) Direito de imagem Thinkstock
Image caption O período de incubação do ebola é de 21 dias

Uma suspeita de ebola foi registrada nesta terça-feira em Belo Horizonte (MG), e o caso está sendo investigado pelo Ministério da Saúde.

O paciente é um homem de 46 anos vindo da Guiné. Ele deu entrada em uma unidade de pronto atendimento da região da Pampulha com dor de cabeça, febre alta e dor muscular. Seu nome não foi divulgado.

"Imediatamente após a identificação da suspeita, o paciente foi isolado na unidade e teve início a adoção do protocolo nacional estabelecido para casos suspeitos de ebola, como a comunicação à Secretaria Estadual de Saúde", diz o ministério em nota.

O homem será levado nesta quarta-feira para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro.

"Todos os pacientes e profissionais da unidade que tiveram contato com ele foram orientados e estão sendo monitorados", afirma o ministério.

Mortes por ebola

Dados até 1º de novembro de 2015

11.314

Mortes - prováveis, confirmadas e suspeitas

(Inclui uma nos EUA e seis no Mali)

  • 4.808 Libéria

  • 3.955 Serra Leoa

  • 2.536 Guiné

  • 8 Nigéria

Getty

O paciente chegou na sexta-feira passada da Guiné, país onde foram registrados 4 novos casos de ebola nos últimos 21 dias, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O país do oeste da África foi um dos mais afetados pelo surto: teve ao menos 2 mil mortes confirmadas relativas ao surto de ebola, cujo ápice foi em 2014.

Entenda a seguir os principais mitos em torno da disseminação da doença - e as reais explicações científicas para isso.

Leia também: Os voluntários que 'aceitam' ficar gripados por R$ 20 mil

O vírus se propaga pelo ar, pela água e é contraído através do contato com quem está contaminado

Direito de imagem Reuters
Image caption Mulheres curadas do ebola posam para foto na Libéria, o país mais atingido pelo atual surto da doença

O contágio se produz quando os fluidos corporais de um indivíduo infectado toca alguma das membranas mucosas de alguém que não está contaminado.

Isso quer dizer que o sangue, o suor, a urina ou as fezes do portador do vírus têm que entrar em contato com os olhos, os orifícios nasais, a boca, os ouvidos, a área genital ou uma ferida aberta para contrair a doença.

O contato com lençóis, roupas ou superfícies infectadas pelo vírus também pode causar o contágio, mas apenas se houver algum corte na pele.

Leia também: Desigualdade: mulheres brasileiras trabalham 'de graça' desde 19 de outubro

É possível ser contaminado por alguém que aparenta estar saudável

É muito improvável que isso aconteça, mesmo se alguém for portador do vírus.

A razão é que os sintomas podem demorar até 21 dias para aparecer - período máximo de incubação da doença. E até que os sintomas sejam visíveis, não há contágio.

Uma pessoa só pode transmitir a doença se o vírus estiver em seu sangue e secreções.

Leia também: No Japão, alunos limpam até banheiro da escola para aprender a valorizar patrimônio

Não se contrai o vírus através de relações sexuais

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Recomenda-se abstinência sexual ou o uso de preservativos para quem teve o vírus

Se um homem tem ebola, o vírus pode estar presente nos seus fluidos corporais, incluindo o sêmen. A Organização Mundial da Saúde acredita que o vírus pode permanecer nos fluidos do indivíduo até sete semanas após o paciente ter se recuperado.

Mas outros especialistas sugerem que a doença pode permanecer por até três meses, mesmo se médicos confirmarem não haver partículas virais no sangue.

Quem já teve ebola deve abster-se de relações sexuais ou usar preservativos durante esse período.

Leia também: Desastre em Mariana foi acidente ou crime? 'É precipitado avaliar', diz ministro

Alguém que morreu não pode espalhar a doença

Direito de imagem AFP
Image caption Enterros devem ser realizados por pessoas treinadas e com equipamentos para evitar disseminação do vírus

Embora o indivíduo tenha morrido, o vírus ainda pode estar presente. Por isso, especialistas em epidemiologia temem que a disseminação ocorra em práticas funerárias tradicionais realizadas em alguns países africanos, nas quais parentes ficam em contato direto com os mortos.

Nestes casos, a OMS recomenda o enterro imediato e o uso de luvas e roupas de proteção para o indivíduo que manipula o corpo.

Recomenda-se, também, o treinamento daqueles que lideram os funerais sobre os procedimentos a serem seguidos para evitar que a infecção se espalhe.

Um paciente pode transmitir a doença, mesmo que ele tenha se recuperado

Direito de imagem Getty
Image caption Profissionais da saúde devem usar equipamentos de proteção ao tratar de pacientes com ebola

Normalmente, apenas as pessoas que têm os sintomas podem espalhar o vírus.

No caso de uma mulher grávida que recebeu alta, recomenda-se que ela não amamente o bebê.

Antibióticos, água salgada, leite e cebola crua podem prevenir o ebola

O consumo destes alimentos não impede a contaminação pelo ebola. Além disso, a ingestão de água salgada - que alguns acreditam que pode curá-los da doença - pode ser perigosa, especialmente em dias quentes.

A OMS cita dois casos de pessoas na Nigéria que morreram por essa razão.

No momento não há cura para o ebola, mas vacinas estão sendo testadas. Se os testes forem bem sucedidos, profissionais de saúde terão prioridade em receber as injeções.

Leia também: As vantagens de ‘sonhar acordado’

Você tem que usar produtos antissépticos caros para eliminar o vírus

Direito de imagem Thinkstock
Image caption É recomendado lavar as mãos com frequência, com álcool em gel ou sabão e água limpa

Recomenda-se lavar as mãos com frequência, especialmente se você estiver perto de um paciente com o ebola.

O álcool em gel pode ser útil, mas se as mãos estiverem visivelmente sujas, é importante lavar com sabão e água limpa, segundo autoridades sanitárias.

O surto cujo ápice foi em 2014 foi o primeiro grande surto de Ebola

Direito de imagem CDCP
Image caption O primeiro surto do ebola foi registrado no Sudão e na República Democrática do Congo, em 1976

Este é o surto que causou mais mortes, mas não é o primeiro.

Segundo a OMS, o vírus foi diagnosticado pela primeira vez em humanos em 1976, no Sudão e na República Democrática do Congo.

O surto ocorreu em uma aldeia perto do rio Ebola, daí o nome da doença. Cerca de 500 pessoas foram infectadas e 400 morreram.

Desde então, várias cepas do vírus surgiram no continente africano.

Leia também: Fotógrafa registra todos os objetos tocados ao longo de um dia por 62 pessoas