Muçulmano salvou duas mulheres de ataques em Paris

BBC
Image caption Safer mora no 11º distrito, um dos locais atacados

Quando o tiroteio começou na noite de sexta-feira, Safer estava trabalhando no bar do restaurante Casa Nostra, em Paris, um dos locais escolhidos como alvo dos ataques.

Muçulmano de origem argelina, ele arriscou sua vida para salvar duas mulheres enquanto homens que diziam representar sua fé provocavam as mortes.

"Eu estava no caixa. Ouvimos as explosões - foram realmente altas", conta ele. "Todo mundo começou a berrar, caía vidro em cima da gente. Foi horrível. Havia vidro por toda parte, machucando nosso rosto", disse Safer, que não quis ter seu sobrenome divulgado.

"Eu vi que duas mulheres do lado de fora haviam sido atingidas. Uma no pulso e outra no ombro. Elas estavam sangrando muito."

Leia também: Paris foi atacada por 3 grupos de atiradores; saiba o que já foi descoberto sobre atentados

Apesar do perigo evidente, Safer diz que precisava ajudar. Ele esperou uma pausa nos tiros e correu para o lado de fora.

Direito de imagem EPA
Image caption Pelo menos cinco pessoas morreram em ataque à pizzaria Casa Nostra

"Peguei as duas e corri com elas para o porão. Sentei com elas e tentei estancar o sangramento."

"A gente ainda ouviu mais tiros lá em cima. Foi apavorante."

"Quando saímos vimos os corpos nas ruas. Havia muita gente ferida." Cinco pessoas morreram no ataque ao restaurante Casa Nostra.

Leia também: Três atentados em um mês: qual a força atual do 'Estado Islâmico'?

Safer mora no 11º distrito de Paris, mesmo bairro do Casa Nostra, uma área onde vivem muitos muçulmanos e pessoas de origem árabe.

Apesar de o grupo extremista autodenominado "Estado Islâmico" ter assumido a autoria dos atentados que deixaram pelo menos 129 mortos e 350 feridos, ele diz que os ataques não têm relação com o islamismo.

Direito de imagem Getty
Image caption Cenário do Casa Nostra Cafe após os ataques de sexta-feira

"Isso não tem nada a ver com religião", disse ele.

"Muçulmanos de verdade não são feitos para matar pessoas", afirma. "Esses (que fizeram os ataques) são apenas criminosos".

De certa forma, sua história se assemelha a de Lassana Bathily, um jovem imigrante do Mali que escondeu um grupo de fregueses assustados quando um mercado kosher foi atacado em janeiro, no mesmo dia do ataque à redação do jornal Charlie Hebdo.

Bairro

Jean-Paul Lugon, 54, também morador do 11º distrito, estava na cozinha quando ouviu tiros.

Leia também: Quem são as vítimas dos ataques em Paris?

"O tiroteio durou uma eternidade. Foram pelo menos dois ou três minutos de tiroteio contínuo. Eu corri e vi três pessoas mortas no chão."

"Estou com tanta raiva. Essas pessoas são civis, elas não fizeram nada para que isso acontecesse."

Image caption Lugon diz estar com 'muita raiva' do que aconteceu

Lugon diz que ficou chocado pelo bairro ter sido atacado. "Por que aqui? Não é uma área como o 16º ou o 7º distrito e outras áreas ricas em que não há imigrantes", disse.

Já no 18º distrito, um dos principais locais de concentração de população muçulmana de Paris, a raiva é palpável.

"Não somos como eles", diz Jamal, de 44 anos. "Não temos nada a ver com eles. Estamos com nojo", disse.

Image caption Jamal diz que está 'com nojo' dos extremistas

Ele também está preocupado com o impacto mais amplo dos ataques sobre a comunidade muçulmana.

"Os franceses não nos aceitam", diz.

O papel do islamismo na França é um tema frequente no debate público e, quando foi revelado que cidadãos franceses foram responsáveis pelos ataques ao Charlie Hebdo no início do ano, surgiram questões sobre a vida de jovens muçulmanos no país.