'Chuva de bombas' é suficiente na luta contra o 'Estado Islâmico'?

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

A ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o grupo extremista autodenominado "Estado Islâmico" já soma mais de 8,3 mil bombardeios desde agosto de 2014.

Apesar dessa verdadeira "chuva de bombas", com 17 ataques aéreos diários, o grupo vem conseguindo manter suas posições no Iraque e na Síria.

Leia também: Conheça seis fontes de renda do 'Estado Islâmico'

Após serem alvo de ataques do "EI", França e Rússia também estão realizando ataques aéreos na região.

Todo esse esforço militar, porém, levanta a questão: a ofensiva está funcionando?

Para Malcolm Charmers, especialista em defesa e segurança, será preciso elevar a campanha a outro nível.

Direito de imagem Reproducao
Image caption Posições do 'EI' são alvo de ataques desde agosto de 2014, mas grupo extremista continua ativo

"Se o objetivo é retomar território, você precisa de forças de solo. Aviões não tomam território. Eles apoiam esforços, mas sozinhos não fazem muito", afirmou o diretor do centro de estudos Rusi (Royal United Services Institute), da Inglaterra.

Desafios

A presença do "EI" em uma ampla porção de território, e pulverizada por vilas e cidades, dificulta ainda mais uma estratégia exclusivamente aérea.

A cidade de Mosil, no Iraque, por exemplo, apesar de estar ocupada pelo "EI" desde junho de 2014, não é alvo frequente de ataques justamente em razão do grande número de civis que ainda vivem na região.

Há ainda outro problema: nem sempre os bombardeios saem conforme o planejado – planos e informações de inteligência podem estar errados, levando a mortes de civis.

Direito de imagem Reproducao
Image caption Estratégia baseada apenas em ataques aéreos tem impacto em vidas de civis

Leia também: O pai que salvou dezenas de vidas se jogando contra um homem-bomba do 'EI' em Beirute

Caso haja consenso sobre uma ação terrestre, ainda será preciso definir: de quem serão as botas no solo?

Especialistas alertam ainda, a partir das experiências recentes no Iraque e no Afeganistão, para a necessidade de bons planos para o "pós-guerra", de modo a evitar o caos social que, no caso iraquiano, contribuiu para o próprio surgimento do "EI".

"Bombardeios por si só não são suficientes. Podem aumentar os recrutas do 'EI' e ter um efeito contrário, a não ser que a 'política do depois' seja acertada desde o início", afirmou Jeremy Greenstock, ex-embaixador do Reino Unido na ONU.

Siga a BBC Brasil no Facebook e no Twitter

Notícias relacionadas