'Negligenciei a diabetes e fiquei cega por minha própria culpa'

Foto: Arquivo Pessoal de Leonie Watson
Image caption Leonie Watson contou que perdeu a visão em um período de apenas 12 meses (Foto: Arquivo Pessoal de Leonie Watson)

A britânica Leonie Watson perdeu a visão aos vinte e poucos anos depois de ignorar, por muito tempo, recomendações médicas para que tratasse da diabetes.

Watson conta que foi diagnosticada com diabetes tipo 1 quando ainda era criança e, na época, foi informada sobre o quanto poderia comer e sobre as injeções de insulina.

"Quando fiquei um pouco mais velha perguntei ao meu pediatra por que tinha que ser deste jeito, se eu não poderia calcular o quanto de comida iria comer, medir a glicose do meu sangue e então calcular a dose de insulina sozinha. A partir deste dia não sei se ele realmente deixou eu fazer isto ou se meu subconsciente adicionou uma memória baseada na resposta dele, mas não importa. Aquele foi o momento em que a rebelião começou", contou Watson à BBC.

Durante a adolescência, ela descobriu que poderia deixar de tomar uma das injeções de insulina sem grandes consequências e parou de monitorar o nível de glicose no sangue. Nessa fase ela também parou de ir ao médico para os check-ups anuais.

"Nos meus anos de estudante eu me esbaldei. Fumei, dancei, fui à farra e continuei ignorando o fato de que era diabética", disse.

Leia também: Lama, lágrimas e morte: a jornada de fotógrafo no rio Doce

Curtiu? Siga a BBC Brasil no Facebook e no Twitter

Um ano

Watson contou que perdeu a visão durante um período de apenas 12 meses, entre 1999 e 2000.

Image caption Durante a adolescência e primeiros anos da vida adulta, Watson ignorou o fato de que tinha diabetes (Foto: Arquivo Pessoal de Leonie Watson)

"Quando o século estava terminando, eu estava trabalhando na indústria de tecnologia como desenvolvedora web. Era a época do boom do setor de dotcom e todo mundo estava se divertindo. (...) ... Muitas festas insanas (...) saíamos dos clubes às seis da manhã e dirigíamos para Glastonbury só para ver o sol nascer."

Mas, em uma manhã de 1999, a britânica acordou com uma ressaca e um problema.

"Quando olhei no espelho percebi que podia ver uma faixa de sangue na minha linha de visão. Eu olhava para a esquerda e para a direita, a faixa se movia devagar, como se estivesse flutuando em um líquido grosso."

Ela pensou que fosse apenas uma consequência da noite agitada e esperou alguns dias até consultar um oculista, que então a encaminhou para o hospital oftalmológico mais próximo para mais exames.

"Quando a diabetes não é controlada por um tempo causa uma série de problemas que não são vistos. Quando você come alguma coisa, o nível de açúcar no sangue aumenta e seu corpo produz insulina para converter aquela glicose em energia. Se não houver insulina o bastante disponível, então as células do corpo não recebem energia, elas começam a morrer e o excesso de glicose continua preso em sua corrente sanguínea", explicou Watson.

A britânica explicou que a glicose também sufoca células vermelhas e evita que elas transportem oxigênio.

E, segundo Watson, uma das manifestações dos danos causados pela doença é a retinopatia diabética.

Leia também: Governo rebate críticas da ONU sobre resposta 'inaceitável' à tragédia em Mariana

"Tentando conseguir oxigênio o bastante para a retina, no fundo do olho, seu corpo cria novos vasos sanguíneos para tentar compensar. Eles são criados como uma medida de emergência, então são fracos. Isto significa que eles tendem a estourar e causar hemorragia dentro do olho - criando faixas visíveis de sangue, como a que eu via."

No hospital oftalmológico ela foi submetida a um tratamento com laser.

"Não foi agradável. Foi preciso tomar uma injeção de anestesia no olho antes do laser ser disparado."

Mas, em retrospecto, a britânica acha que este tratamento foi inútil.

"Ninguém nunca me falou sobre as consequências de ter retinopatia diabética avançada, sempre foi falado em termos de uma deterioração progressiva."

"Lembro do dia em que me dei conta do quanto minha visão estava piorando, foi um dia de primavera no ano 2000. Estava descendo as escadas em casa quando entendi subitamente, como se tivesse sido atingida por um raio: eu ia ficar cega. Com absoluta certeza eu sabia que perderia minha visão e poderia apenas culpar a mim mesma. Sentei na escada e desabei, chorei como criança."

Image caption Sem os exames, sem controle da dieta e sem insulina, a condição de Watson se deteriorou

Watson passou por um tratamento com antidepressivos mas, como o medicamento a fazia dormir o dia inteiro, ela desistiu. Nos meses seguintes, teve que deixar o trabalho, pois a visão foi piorando.

Então veio a fase da raiva, na qual ela ficava "fora de controle e gritava ou atirava coisas contras pessoas que amava só porque elas estavam lá".

Ela também se machucava fazendo tarefas diárias, o que a deixava ainda mais deprimida.

"Quase no fim daquele ano, um pouco antes do Natal, o resto da minha visão foi embora. Quando penso nisto agora, parece que fui para a cama uma noite percebendo uma pequena mancha vermelha na parte mais distante da minha visão (a luz de standby da televisão do quarto) então acordei na manhã seguinte sem mais nada."

Watson afirma que as pessoas pensam que a cegueira completa é como fechar os olhos ou ficar em um quarto escuro.

Leia também: Por que é raro que um parlamentar seja preso?

"Não é assim de jeito nenhum. É uma completa ausência de luz, não é preto ou qualquer outra cor que eu possa descrever."

Retinas

A britânica explica que suas retinas já não existem mais e ela não recebe luz no fundo dos olhos, "o que dá aos meus olhos a aparência peculiar".

Image caption Hoje, Watson (mostrada com o noivo, Dan) não tem mais visão nenhuma, mas voltou a trabalhar e levar uma vida mais independente (Foto: Arquivo Pessoal de Leonie Watson)

"Cada pupila fica permanentemente e totalmente aberta porque está tentando capturar a luz. E, estranhamente, é a aparência de meus olhos que ainda faz com que eu não tenha tanta certeza de que estou cega, mas como eu não me lembro mais como sou, talvez chegará um momento quando isto também desaparecerá sem deixar dúvidas. Estou bem adaptada a ser cega."

Agora, sem ter nenhuma visão, Watson conta que sua vida está mais fácil, pois ela começou a usar mais os outros sentidos.

"Não tenho uma audição ou olfato extraordinários. Mas presto mais atenção aos outros sentidos. Por exemplo, frequentemente ouço um telefone tocando quando as outras pessoas não ouvem pois estou prestando mais atenção à audição do que elas."

Nos meses seguintes, depois de perder a visão completamente, Watson teve que aprender novamente coisas mais básicas: como fazer tarefas domésticas, como cozinhar, onde encontrar audiolivros, como atravessar a rua e como é beber demais quando não se consegue enxergar.

Leia também: O que é mito e o que é verdade sobre os alimentos mais comuns

"Tudo isto aconteceu há 15 anos. Em algum momento, voltei a trabalhar e agora tenho muita sorte de estar trabalhando e colaborando com muitas pessoas inteligentes e interessantes, muitas delas tenho a satisfação de chamar de amigas."

Watson contou a experiência em seu site pessoal.

"A vida continuou, como a vida costuma fazer. Comemorei meu 40º aniversário no ano passado - talvez tenha sido isto que me levou a pensar e compartilhar minha história", afirmou.