Por que é tão difícil lembrar o nome das pessoas?

Direito de imagem Getty
Image caption Memória não funciona como arquivo, mas sim como uma rede de associações

Quantas vezes nos pegamos diante de uma pessoa que acabamos de conhecer e logo em seguida já esquecemos seu nome, mesmo depois de uma longa conversa? É um problema que aflige um dos meus leitores, Dan, e o que me inspirou a escrever este artigo.

A resposta para esse mistério envolve aprender algo fundamental sobre a natureza da memória. E também oferece uma solução que pode ajudar a evitar situações constrangedoras.

Para começar, é preciso reconhecer que nossa memória não é um simples arquivo com pastas separadas para cada tipo de informação.

Leia também: A tecnologia por trás do aeroporto mais movimentado da Europa

Pelo contrário, nossa mente é associativa. Ela é construída a partir de padrões de informações interconectadas.

E é por isso que “sonhamos acordados”: se você está lendo um livro e nota que ele foi impresso em Paris, pensa logo que Paris abriga a Torre Eiffel, que, por sua vez, foi um dos lugares que sua prima Ana visitou no ano passado, e que Ana adora sorvete de morango. Então, logo vai se perguntar se Ana tomou sorvete de morango quando estava no alto da torre.

Associações de tempo e espaço

Tudo funciona assim: cada item se conecta com todos os outros, mas não pela lógica, e sim pela coincidência de tempo, espaço, como você ficou sabendo da informação e o que ela significa.

A mesma rede de associações faz com que você possa adivinhar uma pergunta a partir da sua resposta. Por exemplo, a resposta “Torre Eiffel” se adequa à pergunta “Qual o monumento mais famoso de Paris?”.

Isso torna a memória algo útil: é possível ir facilmente do conteúdo para o rótulo, e vice-versa. A pergunta “O que há na gaveta mais alta da cômoda?” pode não ser muito interessante, mas se torna importante quando você precisa responder a uma questão como “Onde estão as chaves?”.

A memória é construída dessa maneira de propósito – e agora podemos entender por que esquecemos os nomes.

Leia também: Por que mais de 900 pessoas se mataram por causa deste homem?

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Itens se conectam na memória não pela lógica, mas por uma série de informações

Nossa memória é impressionante, mas ela responde à quantidade de associações que fazemos com uma informação nova, e independente da vontade que temos de memorizá-la.

Quando encontramos alguém pela primeira vez e ouvimos seu nome, a memória pode perceber a informação como algo arbitrário e desconectado de tudo o que sabemos ou viremos a saber.

Depois da conversa, na qual você provavelmente aprendeu sobre o emprego, os hobbies, a família e outras coisas a respeito da pessoa, todas essas informações se interligam na memória.

Dicas para afiar a memória

Felizmente, há maneiras de reforçar essas interligações para que elas fiquem arraigadas com as outras lembranças.

Eis aqui algumas maneiras de lembrar o nome de alguém, usando apenas alguns princípios básicos.

Primeiro, repita qualquer nome novo que você escutar. A prática é uma das regras de ouro do aprendizado e significa memórias mais sólidas. Além disso, ao usar o nome da pessoa, você o está ligando a si mesmo, no ato físico de pronunciá-lo, e também ao assunto da conversa.

Em segundo lugar, tente ligar o nome que acabou de ouvir a algo que você já sabe. Não importa se a relação parece boba. O importante é encontrar alguma conexão para ajudar o nome a se fixar na memória.

Por exemplo, você pode estar conversando com alguém chamado João e se lembrar que seu melhor amigo na escola se chamava João, e que apesar deste João estar usando uma camisa azul, o João da escola só se vestia de preto.

Leia mais: Por que é tão caro ter um filho genial

Finalmente, é preciso tentar ligar o nome a algo mais sobre aquela pessoa. Por exemplo, João é um nome bíblico e começa com “J”, assim como o Jonas da Bíblia, que foi engolido por uma baleia. Este João gosta de pescar, então também é mais fácil associar essas informações.

Fazer essas relações ajuda a criar uma rede de associações em sua memória, e essa rede vai evitar que o nome da pessoa “suma” da sua mente quando você tiver que apresentá-la a outra, por exemplo.

Se você duvida disso, faça este rápido teste: eu mencionei três nomes neste texto. Aposto que você se lembra de João, que não é Jonas. E provavelmente também da prima Ana.

Mas e o meu leitor, que quis saber mais sobre o fenômeno do esquecimento? Foi o único que eu apresentei sem fazer qualquer relação elaborada com seu nome. E é por isso que tenho certeza que você já esqueceu como ele se chama.

*Tom Stafford é professor de psicologia e ciência cognitiva da Universidade de Sheffield, na Grã-Bretanha.

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Future