Fãs de 'Guerra nas Estrelas' calculam custo para construir Estrela da Morte – e para destruí-la

Getty Direito de imagem Getty
Image caption Arma intergaláctica teve papel de destaque no primeiro e no terceiro filmes da série

Um dos ícones de Guerra nas Estrelas, a Estrela da Morte desperta a curiosidade de muita gente - e algumas pensam como seria se ela existisse de verdade.

Primeiro, estudantes americanos calcularam o custo de construir essa megaestrutura que fazia as vezes de estação espacial e arma intergalática do Império Galáctico, o governo totalitário combatido pelos irmãos Luke e princesa Leia no cinema.

Eles estimam que seriam necessários US$ 852 quadrilhões (R$ 3,2 quintilhões). Para colocar este valor em contexto, seria o equivalente a 13 mil vezes o PIB anual da Terra.

Agora, um especialista em engenharia elétrica e de sistemas calculou o impacto econômico catastrófico caso ela fosse destruída duas vezes, como nos filmes. Voltaremos em breve a ele.

Primeiro, por que a Estrela da Morte é tão cara?

Leia também: Como os brasileiros podem estancar encolhimento de população em Portugal

Leia também: Por que a Finlândia está mudando 'um dos melhores sistemas de educação do mundo'?

Direito de imagem StarWars.com
Image caption Sétimo filme de 'Guerra nas Estrelas' estreia neste mês

Depressão astronômica

"Você precisaria conseguir os materiais necessários para construí-la", dizem os estudantes da Universidade Lehigh, nos Estados Unidos.

Seriam necessárias 1,08 quadrilhão de toneladas de aço e 833.315 anos para produzi-las. No entanto, essa quantidade não é muita se compararmos com a quantidade de ferro existente no planeta, que seria suficiente para fabricar 2 bilhões de Estrelas da Morte.

Mas você se lembra de que essa arma foi destruída duas vezes na séries? Sim, a primeira no primeiro filme, Uma Nova Esperança, de 1977, e novamente no terceiro, O Retorno de Jedi, de 1983, quando ela foi reconstruída e despedaçada mais uma vez.

E aqui está o lado sinistro desses cálculos. Zachary Feinstein, da Universidade de Washington em St Louis, nos Estados Unidos, explica que, em seus cálculos, criou um modelo que refletisse a economia do Império Galáctico.

Depois, ele estudou as repercussões econômicas da batalha de Endor, quando a segunda Estrela da Morte foi destruída, e chegou à conclusão que a Aliança Rebelde (os mocinhos do filme) precisariam de um enorme pacote de ajuda financeira para prevenir um colapso econômico da galáxia.

"Sem estes fundos, é provável que a economia galáctica entrasse em uma depressão de proporções astronômicas", escreve Feinstein.

"Com a desintegração do governo galáctico", ele estima as perdas em US$ 515,5 quintilhões.

E o curioso é que o próximo filme da antologia, A Primeira Nação (a ser lançado em dezembro de 2016), vai focar justamente nos rebeldes que roubam os planos da Estrela da Morte original.

Leia também: Cinco mudanças ambientais já em curso no Brasil e seus impactos