Donald Trump tem chances de se tornar presidente dos Estados Unidos?

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Donald Trump lidera pesquisas entre republicanos, mas pode não ser suficiente para ser indicado

Os polêmicos pronunciamentos de Donald Trump têm escandalizado até mesmo os líderes do Partido Republicano, do qual ele tenta obter a indicação para concorrer às eleições presidenciais americanas, mas ainda assim o empresário continua a liderar as pesquisas sobre o representante da legenda na disputa no próximo ano.

Esse apoio a Trump indicado pelas pesquisas pode se traduzir em votos e uma eventual nomeação ou até a Presidência, com uma vitória na fase final da corrida eleitoral?

A BBC conversou com analistas políticas sobre as chances do empresário tornar-se o próximo presidente americano.

  • Norman Ornstein, analista do Instituto Empresarial das Américas

Previsão: Conseguirá ser indicado, mas não conquistará a Presidência.

"Apesar do consenso entre especialistas sobre as possibilidades de um triunfo de Trump, o milionário tem sim chances de conquistar a indicação.

Claro que é preciso ter cuidado na hora de fazer previsões. Ainda é cedo, mas algumas sondagens sugerem que os seguidores de Trump nunca votaram nas eleições primarias, que escolhem os candidatos dos partidos.

No entanto, se ele vencer as primeiras disputas das primárias, isso pode lhe impulsionar na corrida. Trump destinou recursos significativos para se promover nos primeiros Estados onde estas votações ocorrerão.

Leia também: Nove polêmicas envolvendo as propostas e o perfil de Donald Trump

Direito de imagem Getty
Image caption O apoio a Trump vai se traduzir em votos?

Quanto maior for o risco de um ataque terrorista nos Estados Unidos ou até na Europa, semelhante ao de Paris, mais chances de seu discurso ressoe entre os eleitores conservadores, furiosos e desencantados.

Não podemos subestimar a força da retórica contra o sistema entre os eleitores republicanos, contra a liderança de seu partido e a do atual presidente, Barack Obama. O discurso é difundido por blogueiros e programas de rádio que têm muitos motivos financeiros para fazer isso.

No entanto, é pouco provável, apesar de não ser impossível, que Trump ganhe a eleições gerais. É preciso ficar de olho em Ted Cruz, que também tem em sua carreira uma grande força para conseguir a indicação, se Trump não a lograr.

Cruz busca continuamente o apoio das igrejas evangélicas e, de forma muito inteligente, está se posicionando para ganhar a simpatia de muitos seguidores de Trump."

  • Robert Schlesinger, editor-geral do US News & World Report

Previsão: Não será indicado pelo Partido Republicano.

"Há muitas razões para afirmar que Donald Trump não vai ser o candidato republicano.

Comecemos por um motivo histórico: jamais um partido importante dos Estados Unidos escolheu um candidato com tão pouca experiência como Trump.

E só cinco pessoas conseguiram a Presidência em sua primeira tentativa, mas três eram heróis militares e os outros dois haviam servido como secretários no gabinete presidencial.

Além disso, muitos exemplos recentes têm demonstrado o quão frágeis podem ser as sondagens de opinião.

Há oito anos, o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani encabeçava as pesquisas sobre a indicação republicana. E quem foi condidato foi John McCain, que estava em quarto lugar.

Direito de imagem AP
Image caption Campanha foi marcada até agora por sequência de controvérsias

Quatro anos atrás, o então presidente da Câmara dos Representantes, Newt Gingrich, tinha o dobro do apoio do que Mitt Romney nas sondagens. E Romney foi o candidato.

Leia também: Conferência do clima termina com 'acordo histórico' contra aquecimento global

Está claro que o discurso de Trump ecoa entre os eleitores republicanos inseguros quanto à economia, à transformação na demografia do país e ao terrorismo. Mas também se beneficia da constante cobertura da imprensa.

De uma forma ou de outra, a sua popularidade cairá antes da convenção do partido. Seja porque seus rivais já iniciam uma campanha publicitária contra ele ou porque, na disputa pela indicação, ele acabará alienando a muitos de seus simpatizantes."

  • Froma Harrop, colunista de jornais nacionais

Previsão:Será indicado, mas não se elegerá.

"A corrida de Donald Trump à Presidência parecia uma brincadeira no início. E alguns especularam que seus primeiros pronunciamentos polêmicos, no qual se referia aos latinos, eram tentativas de sabotar uma campanha que ele nunca levou a sério.

Mas aqui estamos: Trump foi condenado em todo o planeta, mas está indo bem entre suas bases, principalmente em meio às classes operárias.

Qualquer dúvida sobre suas intenções desapareceu, como também a opção de que a liderança republicana possa afundar sua candidatura para assegurar uma opção mais respeitável.

Sim, Trump pode ser indicado. Mas ganharia as eleições? De forma alguma.

Leia também: Temendo ataques, fiéis de mesquita nos EUA rezam com proteção policial

Direito de imagem Reuters
Image caption Candidatura que a princípio parecia piada ganhou força e apoiadores

As sondagens têm mostrado há muito tempo que Hillary Clinton supera todas as opções republicanas, inclusive Trump.

Sua defesa da proibição da entrada de muçulmanos no país escandalizou a muitos eleitores republicanos, que agora estão pensando em votar em Clinton.

Uma nova pesquisa entre os republicanos mostrou que um terço dizem temer ou se preocupar com Trump. E não nos esqueçamos de que, ainda que supere outros candidatos republicanos, ele só tem 35% do eleitorado que votará nas primárias.

O próximo presidente americano não será Donald Trump, ainda que seja suficientemente preocupante que tenha chegado até onde está."

  • Kyle Kondik, analista de campanhas políticas da Universidade da Virgínia

Previsão:É pouco provável que seja indicado ou se eleja.

"Alguns têm destacado que o fato de Donald Trump ter permanecido na liderança das sondagens é um indício de que seus vários, absurdos e ofensivos comentários não o tenham prejudicado. Mas penso que, sim, eles geraram um dano real para ele.

Suas propostas racistas e sua retórica têm mobilizado a oposição contra Trump e tornado possível que outros republicanos o apresentem como um desastroso oponente para a candidata democrata Hillary Clinton, a quem os republicanos não querem ver na Presidência.

As primárias são um processo longo que começa em fevereiro e termina com a convenção, em julho. E, ao contrário do que ocorreu em anos anteriores, quando os candidatos com menos apoio abandonaram a disputa para abrir espaço para os favoritos, os outros competidores têm poucas razões para ceder terreno para a indicação de Trump.

Leia também: Conheça cinco focos de reprodução do mosquito Aedes aegypti frequentemente ignorados

Se Trump pensou que participar de um debate por três horas foi algo duro, espere até que tenha de enfrentar o árduo processo das primárias.

Ele é muito impopular a nível nacional. Uma pesquisa recente mostrou que cerca de 30% da população o apóia, mas que 60% o rejeita.

E uma das incógnitas desta disputa é se Clinton pode vir a motivar as minorias não brancas, geralmente apáticas diante dos comícios. Mas o fato de Trump estar na liderança das sondagens entre os republicanos pode ser a melhor motivação possível."

Rebecca Deen, profesora de ciências políticas da Universidade do Texas

Previsão:A indicação e sua eleição são improváveis.

"Ainda que Donald Trump tenha se beneficiado da cobertura da mídia e se aproveitado do desejo real do eleitorado por uma figura diferente do político tradicional, pode não ser suficiente para que seja indicado.

Para ganhar, ele precisa dos votos de 1.236 dos 2.470 delegados. Para isso, precisa conseguir a maioria dos votos na junta ou caucus de cada Estado destes delegados.

Mas um problema para Trump é que o Comitê Nacional Republicano decidiu que, neste ano, todos os Estados que realizarem suas eleições antes de 15 de março terão de conferir delegados aos candidatos de forma proporcional, ou seja, o número de delegados será de acordo com a porcentagem de votos que cada candidato um recebeu.

Só em eleições realizadas depois desta data é que o ganhador terá todos os delegados de um Estado. Mas há várias primárias previstas para antes desta data.

Direito de imagem Getty
Image caption Mudança no sistema das primárias pode desfavorecer Trump

Os dois primeiros Estados, Iwona e New Hempshire, importam porque o resultado gera um burburinho que beneficia seu ganhador. E a mais recente sondagem colocam Trump como o ganhador em New Hampshire por 18 pontos, mas empatado com Ted Cruz em Iowa.

Depois, virão a Carolina do Sul e Nevada e, em seguida, a chamada "Super Sexta", quando a eleição ocorre em 12 Estados no mesmo dia, em 1º de março.

Como em todas as primárias o resultado será decidido proporcionalmente, Ted Cruz, Marco Rubio, Ben Carson e possivelmente Chris Christie têm um bom motivo para permanecer na disputa pela nomeação republicana.

Por isso e pelos escandalosos pronunciamentos de Donald Trump, muita coisa pode mudar no caminho até esta indicação."

Notícias relacionadas