Ato anti-impeachment elege Temer como novo alvo, mas não poupa Dilma

Direito de imagem AFP
Image caption Protesto paulista, segundo Datafolha, reuniu 55 mil pessoas - manifestação realizada por grupos a favor do impeachment no último domingo teve 40,3 mil pessoas, segundo o instituto.

A figura do vice-presidente Michel Temer debutou em protestos anti-impeachment nesta quinta-feira. Ele não participou dos atos - seu nome é que foi citado por líderes de movimentos sociais, sindicatos e políticos durante toda a tarde, diferente do que aconteceu em manifestações anteriores.

O protesto na avenida Paulista, em São Paulo, reuniu grupos que defendem abertamente o governo - como CUT (Central Única dos Trabalhadores) e UNE (União Nacional dos Estudantes) - e movimentos que fazem oposição à esquerda da presidente, mas discordam do impeachment - como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e o PSOL.

Leia também: Como a guinada nos juros dos EUA afeta o Brasil?

Em caso de queda de Dilma Rousseff no processo de impeachment recém-aberto pelo presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o vice-presidente Temer assume o governo. Além das pautas tradicionais - contra o afastamento, contra Cunha e contra a política econômica do ministro da Fazenda Joaquim Levy - o protesto paulista se focou nesta possibilidade.

"Um governo Temer é muito diferente do governo Dilma, mesmo ela sendo uma das principais responsáveis pela crise", disse o presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo. "Temer significaria um aprofundamento do ajuste fiscal e uma aceleração da perda de direitos por trabalhadores"

"A manobra para colocar Temer no poder é uma maneira de facilitar o corte de investimentos sociais", afirmou Guilherme Boulos, do MTST. "Isso é golpe e nós não vamos aceitar."

"Dilma foi eleita democraticamente e quem quer tirá-la precisa de aulas sobre democracia", disse Karina Vitral, presidente da UNE.

Direito de imagem AFP

O protesto paulista, segundo o Datafolha, reuniu 55 mil pessoas. De acordo com o mesmo instituto, a manifestação realizada por grupos a favor do impeachment no último domingo teve 40,3 mil pessoas.

Efeitos práticos

Para analistas, entretanto, ambos os protestos deverão interferir pouco nos rumos do Planalto.

"Tanto a manifestação de domingo quanto a de hoje foram inócuas em termos de impacto no processo de impeachment. Elas reuniram muito menos gente do que o esperado", disse Marco Aurélio Nogueira, professor de Ciência Política da Unesp (Universidade Estadual Paulista). "No começo do ano que vem, quando a sociedade de uma certa maneira volta à normalidade, isso pode mudar. Aí, sim, poderemos ver a força efetiva das ruas neste processo."

Rafael Cortez, cientista político da consultoria Tendências, concorda. "Não vão ter um impacto relevante, nem para o bem, nem para o mal", disse.

"O que vai ser determinante é a estratégia dos partidos a partir de agora, ou seja, a maneira que vão olhar o processo político para 2018, os impactos da Lava Jato e os agentes econômicos."

Leia também: Grupos pró-governo vão às ruas para fazer frente a atos pelo impeachment

Já o cientista político Antonio Carlos Mazzeo, professor do departamento de História da USP (Universidade de São Paulo), afirma que "tudo vai depender dos desdobramentos das próximas horas e do que vai acontecer até sexta-feira (quando serão decidido detalhes sobre o rito do impeachment)".

"Temos que levar em conta a complexidade desse processo de impeachment, que não é igual do do Collor, visto que ele não tinha uma base social. Já o PT tem essa base, que em momentos de crise se unifica."

Entre os presentes no protesto deste domingo estavam o presidente do PT, Rui Falcão, os prefeitos de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho (PT), e de Osasco, Jorge Lapas (PT) e o secretário de direitos humanos de São Paulo, Eduardo Suplicy (PT).

"Temer presidente, só enquanto Dilma estiver viajando. Temer é vice e deve lealdade a Dilma", disse Suplicy à BBC Brasil.

Contradição

No alto do carro de som da CUT, Luiz Araújo, presidente do PSOL, comentou a aparente contradição entre ir para as ruas lutar contra o impeachment, ao mesmo tempo que se critica a política econômica e social do governo.

"A tendência é que os movimentos sociais sejam mais contundentes (nas críticas), como contrapartida ao apoio que estão dando. Ninguém aqui está defendendo a política do governo, então, se quiser apoio, o governo precisará escutar mais", disse.

Ele continua: "Esta é uma contradição não resolvida em movimentos que tradicionalmente apoiam o PT, como as centrais sindicais. Como não perder direitos e ao mesmo tempo garantir o governo?"

Leia também: Supremo inicia análise de rito de impeachment com um voto desfavorável a Dilma

Manifestantes a favor do impeachment, no último domingo, criticaram o que classificaram como "artificialidade" nos protestos organizados pela esquerda. "Os que foram à Paulista no domingo o fizeram espontaneamente, os de hoje foram em ônibus encomendados pelos movimentos", disse um deles.

A reportagem levou a questão a Boulos, do MTST. "Não acho que isso seja um problema. Que o povo se organize cada vez mais, isso é muito bom. O público espontâneo não é melhor que o organizado."

A BBC Brasil aproveitou para questionar a presidente da UNE, Karina Vitral, sobre uma foto em que aparece ao lado da ministra da Agricultura, Katia Abreu, vista com ressalvas pela maioria dos movimentos sociais.

"A foto foi tirada em um ato institucional. Por anos a UNE precisou se esconder da vida pública, durante a ditadura. É bom que tenhamos acesso a estes lugares e pessoas, é democrático. Se fosse uma reunião de cobrança com Alckmin (governador de SP) eu também tiraria", disse, na avenida Paulista.