Refugiado senegalês ganha R$ 1,7 milhão em loteria na Espanha

(AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Ngagne chegou à Espanha em 2007, após ser resgatado de naufrágio

Um refugiado do Senegal que foi resgatado do mar após o naufrágio do barco em que tentava chegar à Europa ganhou 400 mil euros (R$ 1,7 milhão) na loteria de Natal da Espanha.

O homem, identificado apenas pelo primeiro nome, Ngagne, chegou ao país em 2007, vindo do Marrocos.

Ele foi salvo pela guarda costeira espanhola quando o barco em que estava naufragou no Mar Mediterrâneo, principal ligação entre a África e o sul da Europa.

O bilhete premiado saiu para o povoado de Roquetas de Mar, no sul da Espanha. O prêmio principal, de 640 milhões de euros (R$ 2,7 bilhões), será dividido entre 1,6 mil apostadores.

Ao contrário da maioria das loterias, não há um só bilhete premiado no concurso El Gordo.

Apostadores de Sevilla e Granada dividiram um prêmio menor.

Realizada todos os anos, a loteria de Natal é aguardada com ansiedade pelos espanhóis, que acompanham a transmissão do concurso pela TV.

Leia também: Três perguntas para os irmãos Dallari, juristas em trincheiras opostas no impeachment

'Cinco euros no bolso'

Direito de imagem Reuters
Image caption Marroquina Imanes Naame, de 18 anos, também comprou bilhete premiado

Ngagne, de 35 anos, afirmou ao jornal espanhol La Voz de Almeria que, antes de fazer a aposta, ele e a mulher só tinham cinco euros (R$ 22) no bolso.

O senegalês falou sobre o resgate de ambos do mar, em 2007.

"Havia 65 pessoas no nosso barco", contou ao La Voz de Almeria. "Queria agradecer aos espanhóis e ao governo deste país por me resgatar do mar."

Ele afirmou a jornalistas que perdeu recentemente o emprego como agricultor em fazendas nos arredores da cidade de Almeria.

Ngnane não foi o único imigrante a tirar a sorte grande na loteria. A marroquina Imanes Naamane, de 18 anos, que se mudou para a Espanha com os pais quando criança, também comprou o bilhete premiado.

"Vamos poder fazer várias coisas (com o dinheiro), tudo o que a gente sempre sonhou", disse ela ao La Voz de Almeria. "Estávamos realmente passando necessidade antes disso."

Com uma taxa de desemprego de mais de 30% – acima da média nacional de 21% –, o povoado de Roquetas de Mar sobrevive principalmente do turismo e da agricultura.

Leia também: Quais são os países que proíbem o Natal?

Notícias relacionadas