Notificações de microcefalia caem, mas nova epidemia de zika preocupa em Pernambuco

  • 10 fevereiro 2016

Uma nova epidemia de altas proporções de zika, chikungunya e dengue causa preocupação em médicos em Pernambuco, que lida com o mais alto número de casos suspeitos e confirmados de microcefalia no país.

As ocorrências recentes da má-formação em bebês têm sido associadas ao zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Mas, desde o início de janeiro, o número de novos casos registrados em todo o país – que chegou a crescer mais de 40% por semana em dezembro – começou a cair.

Atualmente, o Ministério da Saúde investiga 3.670 casos suspeitos de microcefalia. Cerca de 400 foram confirmados e 700, descartados.

A queda nas notificações provocou questionamentos sobre a qualidade do registro de casos no país.

Image caption Grávida no Hospital Universitário Oswaldo Cruz, em Recife; ritmo de notificações de microcefalia caiu, mas aumento em doenças transmitidas por mosquitos preocupa

De acordo com o ministério, a mudança nos números se deve a fatores como redução do pânico em relação à má-formação e ajuste dos serviços de saúde ao novo protocolo para notificações – que estaria evitando erros no registro de casos.

Especialistas também levantaram a hipótese de subnotificação de casos de microcefalia no passado, o que explicaria o número atual maior.

No entanto, para médicos que tentam comprovar a ligação entre microcefalia e zika, o alto número de bebês registrados nos últimos meses de 2015 também se deve ao fato de que eles foram concebidos nos primeiros meses do ano, quando o mosquito está mais ativo."O número de casos novos de microcefalia caiu, se compararmos com dezembro. Atendíamos cerca de 15 novos casos por semana e agora são quatro", disse à BBC Brasil a infectologista Regina Coeli, do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, principal referência para o atendimento da microcefalia no Estado.

"O que vimos até agora é um reflexo de nove meses atrás, quando havia um surto de dengue, zika e chikungunya. Precisamos tomar pé da situação para que o mesmo não ocorra daqui a nove meses."

Image caption Bebê no Hospital Oswaldo Cruz, onde novos casos de microcefalia caíram de 15 para 4 por semana

'Enxugando gelo'

O cenário em Pernambuco mostra que as medidas de combate ao mosquito podem ter chegado tarde para evitar novas ocorrências.

Em dezembro, o governo pernambucano anunciou que destinaria R$ 25 milhões a esforços para atender as famílias com casos de microcefalia e para ações de combate ao Aedes aegypti.

No entanto, o Estado já registra uma epidemia de arboviroses (doenças transmitidas por mosquitos) cujos números superam o do mesmo período no ano passado.

No caso da dengue, cuja notificação é compulsória há mais tempo, o crescimento em relação ao início de 2015 chega a 190%, de acordo com dados divulgados pela Secretaria da Saúde pernambucana.

Em cidades como Vitória de Santo Antão, a cerca de 60 km de Recife, a emergência do Hospital João Murilo de Oliveira atendeu mais de 3 mil pacientes a mais do que sua capacidade – 70% deles com sintomas de uma das três arboviroses."Entre novembro e janeiro tínhamos uma queda nos atendimentos, mas esse ano já estamos superlotados. O pico das viroses, que era nos meses de março, abril e maio, veio antes", disse a diretora do hospital, Roberta Camara.

"Muitas pessoas têm chegado aqui com manchas vermelhas no corpo. Até os nossos funcionários estão adoecendo. Estamos superlotados e a sensação é de que estamos enxugando gelo."

Image caption Em Vitória de Santo Antão (PE), hospital está sobrecarregado por causa de infecções transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti

Segundo Camara, o hospital recebeu mais de 90 mães com sintomas que podem ser de zika vírus em janeiro – 40 a mais do que no mês anterior.

Desde o último mês de outubro, a cidade teve 26 casos suspeitos de microcefalia notificados.

"As gestantes são um alerta para nós. E elas chegam muito assustadas com a possibilidade de terem zika."

Desespero

Luciana Verçosa, de 33 anos, falou com a reportagem da BBC Brasil enquanto aguardava resultados de testes para saber se tinha dengue ou chikungunya. O teste para diagnosticar o zika vírus, que é feito em Recife, demora cerca de 15 dias para ficar pronto.

Ela está grávida de cinco meses e há uma semana sente dores nos pés, coceira e tem manchas vermelhas pelo corpo.

"Vim para cá hoje na esperança de a médica me examinar e dizer que não é nada. Nem estou preocupada comigo, sei que as manchas vão passar. É mais com meu filho mesmo."

Em seu bairro, diz ela, é raro receber visitas de agentes de saúde. Família, vizinhos e colegas de trabalho pegaram algum tipo de dengue, chikungunya ou zika.

"Já gastei tanto repelente que nem sai mais o que usar. Na minha casa não tem foco, mas não sei na dos outros. Se for o mosquito, só pode ser na casa de alguém."

Image caption "Vim na esperança de a médica me examinar e dizer que não é nada", disse Luciana Verçosa, grávida de cinco meses

O coordenador-geral de Vigilância em Saúde de Vitória de Santo Antão, Marcos Santos, diz que a cidade ainda não recebeu verba estadual prometida para ações contra o Aedes aegypti. O repasse do governo federal chegou, mas menor do que nos anos anteriores.

Além do lixo espalhado nas ruas – que pode acumular água limpa e servir de foco para as larvas do mosquito –, bairros da cidade costumam ficar mais de um mês sem água. Por isso é comum que pessoas armazenem em casa.

"Nosso problema com o mosquito é grande. A gente fica pensando até quando vai conseguir vencer", afirma Santos.

"Já tivemos outras epidemias e conseguimos acabar com elas, mas agora vemos que o mosquito está se alastrando. Ficamos até em desespero, porque estamos apagando incêndio com pouca água."

Vídeo com reportagem de Camilla Costa e imagens de Henrique Ferreira

Notícias relacionadas