A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Obra perdida de Mozart é tocada pela primeira vez

Uma peça de Mozart (1756-1791) considerada perdida por 200 anos foi tocada pela primeira vez desde sua redescoberta.

A música foi escrita pelo compositor austríaco em parceria com o italiano Antonio Salieri, considerado seu rival, e um compositor desconhecido, Cornetti.

A cantata de quatro minutos foi encontrada nos arquivos do Museu da Música, em Praga (República Checa), em novembro de 2015. Foi tocada em um cravo para uma pequena plateia na última terça-feira.

O museu adquiriu a partitura, escrita em 1785, numa coleção de material em meados do século 20, mas os compositores estavam identificados em código decifrado apenas recentemente.

O musicólogo e compositor alemão Timo Jouko Herrmann reconheceu o nome da composição ao pesquisar os catálogos online do museu.

Para ele, o trabalho é "chave para um novo entendimento da relação entre Mozart e Salieri".

Inveja mortal?

Rumores sobre o envenenamento de Mozart por Salieri, motivado por inveja, há muito tempo são descartados por historiadores, mas foram popularizados por peças teatrais e o filme vencedor do Oscar Amadeus (1984).

"Sabemos a história do filme Amadeus, e é falsa. Salieri não envenenou Mozart, ambos trabalharam em Viena e eram rivais", diz Ulrich Leisinger, do Instituto Mozart de Salzburgo.

O nome da cantata, "Per la ricuperata salute di Ophelia", foi traduzido como "Pela saúde restaurada de Ofélia". Foi escrita para celebrar a recuperação da soprano inglesa Nancy Storace após uma enfermidade.

Para Leisinger, a composição não é genial, mas esclarece aspectos do cotidiano de Mozart com compositor de ópera.

"É claramente uma peça original, e não há razão para duvidar de sua autenticidade. Não sabemos quando outra peça será descoberta, pode ser logo ou em mais 100 anos."

Várias peças de Mozart foram redescobertas no passado recente - muitas deles teriam sido escritas por ele ainda na adolescência.