Funcionários de Londres 2012 ainda tentam receber por trabalho nos Jogos

Image caption Trabalhadores localizados pela BBC levaram calote que soma aproximadamente R$ 91 mil

Quatro anos após a Olimpíada de Londres, algumas pessoas que ajudaram os jogos a acontecer ainda esperam pagamento pelo trabalho.

Ao menos 11 agentes de segurança e guardas precisam receber até 1,8 mil libras cada um (cerca de R$ 10,4 mil).

A BBC localizou a mulher que contratou essas pessoas. Rukhsana Kauser diz que nunca recrutou ninguém diretamente para a Olimpíada.

No entanto, os ex-trabalhadores da empresa Britannia Security Service dizem que não irão desistir.

"Ela fugiu com o dinheiro", diz Mohammad Anwar, que trabalhou como segurança para a empresa.

Ele deveria ter recebido de sete e oito libras (R$ 40 a R$ 46) por hora, por jornadas de 12 horas.

Image caption Mohammad Anwar recebeu prêmio pelo reconhecimento do trabalho nos Jogos de 2012.

Anwar disse ter trabalhado tão duro no evento que até recebeu um prêmio.

Calote

Mas ele reivindica o pagamento de 1,8 mil libras pela empresa de Kauser, a Britannia Security Service.

Cada um dos trabalhadores tem crédito de pelo menos mil libras (cerca de R$ 5,7 mil) com a empresa. A BBC identificou dezenas de outros funcionários sem pagamento.

Jatinder Ghuman, de 30 anos, trabalhou para a Britannia nos Jogos Paralímpicos. Ele atuou como agente de segurança e ainda não recebeu nada, apesar de ter trabalhado 14 dias consecutivos.

"Espero receber cerca de 1,5 mil libras pelo trabalho que fiz", afirma. "Estávamos em turnos de 12 a 13 horas e nos disseram que se fizéssemos cinco dias seguidos receberíamos um bônus de 250 libras - nem isso tivemos."

Image caption Aamir Rafique: "Minha família está muito chateada porque não consigo pagar o aluguel e não há comida suficiente para todos.”

Aamir Rafique disse que precisou tomar um empréstimo após o suposto calote, que diz ter lhe custado 3 mil libras (cerca de R$ 17 mil) em financiamentos e juros.

Subcontratação

Kauser era a única diretora da Britannia em 2012, e hoje a empresa está extinta.

A firma foi subcontratada para recrutar e gerenciar pessoal para a Olimpíada por outra empresa, a AP Security.

A AP Security diz ter repassado todos os recursos à Britannia para fazer os pagamentos.

Mas empregados que buscaram a Britannia para receber não receberam resposta a e-mails e telefonemas.

Kauser morava em Londres na época da Olimpíada, e desde então se mudou para Lancashire, no noroeste do país.

Ela não quis gravar entrevista com a BBC e nega ter recrutado trabalhadores para o evento.

Anwar e outros dez ex-trabalhadores possuem diversas mensagens e e-mails de Kauser que provariam que ela os contratou. Nenhum deles a conhece pessoalmente, e agora irão buscar reparação judicial.