'Carniceiro dos Bálcãs': Quem é Karadzic, condenado por genocídio na Guerra da Bósnia

Direito de imagem AFP
Image caption Radovan Karadzic foi condenado a 40 anos de prisão por genocídio e crimes contra a humanidade

Condenado nesta sexta-feira por participação direta em um genocídio na Guerra da Bósnia (1992-95), Radovan Karadzic foi um líder político que despertou amor e ódio.

Entre alguns sérvios da Bósnia-Hezergóvina, ainda hoje ele é considerado herói e defensor de seu povo. Mas fora de seu círculo de admiradores, é chamado de "carniceiro dos Bálcãs", pelo envolvimento e liderança que teve na guerra que deixou mais de 100 mil mortos.

Nesta sexta, aos 70 anos, o ex-líder sérvio foi condenado pelo Tribunal Penal Internacional da antiga Iugoslávia a 40 anos de prisão, por conta do genocídio de Srebrenica (quando mais de 7 mil bósnios muçulmanos foram mortos por tropas sérvias) e por outros nove crimes de guerra.

Ele foi absolvido de outra acusação de genocídio em cidades bósnias.

Karadzic é a figura política mais graduada a enfrentar julgamento por conta do violento colapso da Iugoslávia, e seu caso tem sido encarado como um dos mais importantes julgamentos de guerra desde a Segunda Guerra Mundial.

Seu julgamento durou oito anos. Karadzic negou as acusações, alegando que quaisquer atrocidades cometidas foram ações individuais e não orquestradas por um comando superior.

Nacionalismo

Psiquiatra por formação e político por opção, Karadzic nasceu na região hoje conhecida como Montenegro, que ficava na Iugoslávia.

Sua influência política, inclusive, começou dentro de casa – seu pai era um membro dos Chetniks, guerrilheiros nacionalistas sérvios que lutavam contra os ocupantes nazistas e contra os partidários comunistas do marechal Tito (ex-líder iugoslavo) na Segunda Guerra Mundial, e ficou preso durante boa parte de sua infância por conta disso.

Direito de imagem AFP
Image caption Massacre de Srebrenica, pelo qual Karadzic foi condenado, foi um dos episódios mais violentos já registrados na Europa após a Segunda Guerra

Mas a vida política de Karadzic começou de fato depois que ele se mudou para Sarajevo, na atual Bósnia, país com profundas divisões étnicas. Foi lá que ele se formou psiquiatra, conheceu a esposa Ljiljana e virou poeta, sob influência do escritor nacionalista sérvio Dobrica Cosic, que o motivou a entrar de vez na política.

Depois de trabalhar brevemente para o Partido Verde da Sérvia, ele ajudou a fundar o Partido Democrata Sérvio (SDS) – dedicado a fundar a "Grande Sérvia" e criado em 1990 em resposta ao surgimento de partidos nacionalistas na Croácia e na Bósnia.

Menos de dois anos depois, quando a Bósnia-Hezergóvina ganhou reconhecimento como Estado independente, ele declarou a criação da República Sérvia Independente da Bósnia-Hezergóvina (que ganhou o novo nome de Republika Srpska) com sua capital em Pale, um subúrbio de Sarajevo. O presidente dessa nova república seria o próprio Karadzic.

Foi o partido dele, apoiado pelo líder sérvio Slobodan Milosevic, que organizou os sérvios para lutar contra os bósnios e croatas na Bósnia.

'Limpeza étnica'

Uma guerra violenta se seguiu a isso, com o apoio militar da Sérvia e com seu exército ocupando Sarajevo por 44 meses, destruindo as forças bósnias, mas também aterrorizando a população com bombardeios sem fim.

A guerra trouxe à tona tensões étnicas que haviam sido contidas durante o governo de Tito. Milhares de civis morreram no confronto, muitos deles sendo alvos deliberados das explosões.

As forças bósnio-sérvias – que tiveram apoio militar da Sérvia – tiraram centenas de milhares de bósnios étnicos e croatas de suas casas em uma campanha brutal de "limpeza étnica", pela qual Karadzic também foi acusado 20 anos depois.

Inúmeras atrocidades foram documentadas, incluindo o estupro generalizado de meninas e mulheres. Há relatos também de campos de punição bósnio-sérvios – como os campos de concentração nazistas – onde prisioneiros de guerra eram mantidos e torturados.

Direito de imagem Reuters
Image caption Karadzic apoiou a Guerra da Bósnia, que deixou milhares de mortos

Crimes de guerra também foram cometidos contra civis sérvios pelos bósnios em uma guerra étnica que se tornou o confronto mais longo e violento da Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Um acordo selado em Paris no fim de 1995, após mais de mil dias de conflitos, pacificou a região.

Ainda naquele ano, Karadzic foi indiciado junto com o líder bósnio sérvio Ratko Mladic por crimes de guerra. Ele foi obrigado a deixar a presidência da SDS em 1996 quando o Ocidente ameaçou sanções contra a Republika Srpska.

Promessa de imunidade

Depois do acordo de Dayton, que pôs fim à Guerra da Bósnia, Karadzic iniciou sua "fuga" das autoridades e conseguiu se manter escondido por muito tempo – provavelmente na área montanhosa do sudeste da Sérvia, na parte controlada pela Bósnia, e protegido por militares.

Ele atuava como um curandeiro "new age" quando foi preso, disfarçado e com um nome falso.

Karadzic diz que o diplomata americano Richard Holbrooke, um dos principais articuladores do acordo de paz, prometeu a ele imunidade nas acusações em troca de ele deixar o cenário político. O americano, porém, nega.

Depois de passar muito tempo "desaparecido", Karadzic finalmente foi levado ao Tribunal Penal Internacional da ONU para a antiga Iugoslávia em agosto de 2008.

Direito de imagem Associated Press Healthy Life
Image caption Escondido, Karadzic estava quase irreconhecível e conseguiu escapar da Justiça por muitos anos

Promotores o acusaram de ter feito uso de táticas para atrasar o julgamento, já que ele boicotou as audiências iniciais e insistiu em ser seu próprio advogado de defesa.

Karadzic apresentou a defesa em 2012, na qual ele se descreveu como um "homem suave" que deveria ser "recompensado" por ter tentado evitar a guerra.

Seu desempenho foi descrito como "eloquente, historicamente provocativo e de autopromoção", segundo um jornal local.

Mas nada disso impediu sua condenação em Haia (Holanda), nesta sexta-feira.