'Sim' para Collor, 'não' para Dilma: por que mudei minha opinião sobre o impeachment

(EPA/Agência Senado) Direito de imagem EPA Agencia Senado
Image caption Collor sofreu impeachment em 1992; Dilma pode ter o mesmo destino

Dos 513 deputados que compõem a Câmara atual, 27 vão participar da votação do impeachment de um presidente brasileiro pela segunda vez.

Em 1992, eles votaram no processo de impedimento do ex-presidente Fernando Collor. Pouco mais de 23 anos depois, participam novamente do mesmo processo, agora contra a presidente Dilma Rousseff.

Mas apenas dois deputados, Nelson Marquezelli (PTB-SP) e Átila Leal (PSD-AM), têm um passado diferente dos demais.

Do grupo dos 27, Marquezelli e Leal foram os únicos a votar contra o impeachment de Collor.

Mas, em entrevista à BBC Brasil, eles confirmaram a intenção de, neste domingo, votar a favor da saída de Dilma.

Os dois têm opiniões distintas em relação a alguns pontos, como a responsabilidade da petista nas chamadas "pedaladas fiscais", principal argumento para o pedido de impeachment.

No entanto, concordam em outros, sendo o principal a "inocência" do ex-presidente Collor.

A BBC Brasil ouviu os dois deputados para saber por que eles mudaram de opinião sobre o impeachment:

Nelson Marquezelli (PTB-SP)

Direito de imagem Agencia Camara

"Votei contra o impeachment do ex-presidente Collor porque, na ocasião, era líder do partido. E o partido fazia parte da base de apoio do governo. Hoje, já não sou mais líder. E o nosso líder (o deputado federal Jovair Arantes) foi relator (do parecer que recomenda) a aceitação do pedido de impeachment. Decidi, portanto, acompanhar a decisão dele. Em outras palavras, sempre fui coerente.

Dilma vive hoje problemas parecidos com os de Collor. Uma crise política sem tamanho e uma economia claudicante. Mas, diferentemente de Collor, as denúncias contra Dilma não se restringem a ela, mas ao partido. O esquema de corrupção é muito mais amplo.

Acredito na inocência do Collor (apesar de impedido, o ex-presidente foi absolvido pelo STF por 'falta de provas'). Mas ele foi vítima de um cenário político desfavorável. E, por isso, sofreu o impeachment. Defendi muito a política que Collor estava implantando para o país. Toda a parte positiva do governo dele, como a abertura da economia.

Não me arrependo de ter votado contra o impeachment de Collor. Prova disso são meus eleitores. Fui reeleito outras seis vezes.

Decidi votar a favor do impeachment de Dilma porque a palavra final não cabe à Câmara dos Deputados, mas ao Senado. Não podemos fechar os olhos ao clamor população. É preciso que seja feita uma investigação.

Pessoalmente, não sou a favor da saída da presidente. Não vejo nenhum crime nas chamadas 'pedaladas fiscais'. Mas sou a favor, sim, da admissibilidade do processo. Em outras palavras, da possibilidade da votação desse assunto no plenário da casa."

Átila Lins (PSD-AM)

Direito de imagem PSD

"Há muitas semelhanças no processo de impeachment de Collor e de Dilma. Ambos têm um caráter político forte.

Mas os crimes ligados ao governo Dilma são de muito maior gravidade.

Collor cometeu pequenos deslizes que hoje seriam resolvidos em um juizado de pequenas causas.

Os ingredientes hoje são muito piores. Dilma perdeu completamente as condições de governar. O povo quer a saída dela.

Votei contra o impeachment de Collor porque decidi acatar a posição do partido. Naquela ocasião, todos cumpriram a orientação partidária. Mas tive prejuízos políticos incalculáveis e fiquei queimado perante a opinião pública. Não pude disputar eleições majoritárias. Fiz vista grossa à manifestação popular. Arrependo-me das consequências da minha decisão.

Em 2016, não tenho o direito de cometer o mesmo deslize que cometi no passado. Além disso, não tenho mais a orientação contrária do partido. O meu partido se manifestou a favor do impeachment.

A indicação do partido é um item sinalizador, mas não é determinante. Foi para mim lá trás. Mas era imaturo e estava no meu primeiro mandato como deputado federal. Hoje, mesmo que o PSD se manifestasse contra o impeachment, eu votaria contra Dilma.

Não quero ficar na contramão da história. Quero me reconciliar com o povo do meu Estado e comigo mesmo."

Notícias relacionadas