Esqueletos maoris são repatriados à Nova Zelândia

(AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Restos mortais haviam sido levados do país há mais de 100 anos

Os restos mortais de dezenas de maoris devem ser repatriados à Nova Zelândia de museus nos Estados Unidos e no Reino Unido, mais de 100 anos depois de serem levados do país.

O Te Papa Tongarewa, o museu nacional da Nova Zelândia, está se preparando para receber, nos próximos dias, cabeças e esqueletos que pertenciam a 60 maoris e morioris, o povo indígena das Ilhas Chatham.

Trata-se da segunda maior repatriação do tipo da história, informa o jornal neozelandês New Zealand Herald.

O comércio de restos mortais das tribos indígenas era abundante durante o século 19, apesar de ter sido oficialmente proibido em 1831, em grande parte devido à fascinação ocidental por culturas exóticas, explica o museu ao diário.

"Aqueles eram dias sombrios, quando os tupunas (ancestrais) eram negociados, coletados e roubados, mas hoje temos a chance de consertar os erros do passado", afirmou Arapata Hakiwai, curador da seção do museu dedicada ao povo maori.

Entre os restos mortais estão quatro cabeças preservadas de Maoris ─ conhecidas como Toi moko ─ e o esqueleto de uma criança de sete anos.

Enquanto muitos deles ainda são mantidos no Smithsonian, o maior museu do mundo, em Washington, nos Estados Unidos, inúmeras instituições britânicas, incluindo o Museu Falconer, na Escócia, decidiram devolver à Nova Zelândia esqueletos individuais que pertenciam a suas coleções.

O Te Papa possui uma equipe dedicada a trazer de volta ao país restos mortais de ancestrais espalhados por museus ao redor do mundo.

A maior repatriação do tipo ocorreu em 2014, quando o Te Papa conseguiu a devolução de 107 restos mortais de maoris e morioris do Museu Americano de História Natural.

Notícias relacionadas