BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 09 de junho, 2004 - 10h54 GMT (07h54 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Feijoada com copirraite
 
Sigamos o exemplo dos italianos. Em vez de pronunciar Palocci, rimando “não se coce”, digamos Palocci, rimando com “calote”.

Em vez de inventar pizza com dendê ou cupuaçu, essas americanalhices, vamos botar a mão na massa e preservar a integridade do popular produto, hoje patrimônio mundial, dando-lhe a necessária proteção do STG, ou seja, o selo de Especialidade Tradicional Garantida. É assim que os franceses fazem com seus vinhos, é assim que deveríamos fazer com nossa feijoada, nosso vatapá, nosso pato no Tucupi.

Vamos destrinchar essa pizza. O que há é o seguinte: o Parlamento italiano está examinando um projeto de lei que estabelece regras para proteger a verdadeira pizza Napolitana.

Em outras palavras, fazer feito aconselhava aquele velho comercial, de não sei mais que produto, que dizia, “Não aceite imitações!”

Em oito artigos, seis cláusulas e nenhum pedaço de pêra ou abacaxi, o equivalente italiano ao nosso Diário Oficial deixou bem claro em seu texto o que constitui uma verdadeira, una vera, pizza Napolitana.

A pizza Napolitana, segundo o projeto de lei, deve ser redonda, com um diâmetro de 35 centímetros no máximo. O centro não deve superar 3 milímetros de espessura e a borda dois centímetros. A popular Margarita não pode levar outro tipo de mussarela a não ser a produzida nos montes Apeninos do sul. Nada de rolo de amassar, que isso é blasfêmia. Uso de máquina? Heresia. É tudo à mão. Mão italiana, de preferência. Essa, a rigor e à paisana, a verdadeira pizza Napolitana.

No exterior, cada vez mais repleto de brasileiros, todos morrendo de saudades nos cinco sentidos, principalmente o paladar, uma das maneiras de se ganhar a vida é cozinhando para a colônia. Em Nova York, Londres e – por que não? – Roma, é gente carregada de “quentinhas” atravessando a cidade na hora do almoço. E tome feijoada fajuta, vatapá fajuto, pão de queijo fajuto, cuscuzes paulista e baiano igualmente fajutos. Isso vai acabar dando um mau nome não só à nossa cozinha, mas também nossas cozinheiras e gourmets.

Fome zero? De acordo. Cozinha típica autêntica e com copirraite obrigatório? Ainda mais de acordo.

 
 
Arquivo - Ivan
Leia as colunas anteriores escritas por Ivan Lessa.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
 
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade