BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 19 de julho, 2004 - 11h44 GMT (08h44 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Diplomatas em brasa
 
Ivan Lessa
Desconheço como e onde se formam os diplomatas britânicos. Julgando-se pela semana que passou, nada tem a ver com nosso Itamaraty, belo palacete no Rio com um lago na frente onde nadavam serenos alguns cisnes.

Os embaixadores britânicos andaram mandando brasa na semana passada. Nada a ver com uma das principais acepções dada pelo Aurelião: a de “indivíduo de aspecto fino, porte distinto” e “negociador hábil”.

É só conferir: primeiro teve o embaixador britânico no Uzbequistão, Craig Murray, país logo ali ao lado do Iraque, importantíssimo na conjuntura atual e de imenso interesse tanto para a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, ou seja, a famosa coalizão.

Sua excelência, o embaixador britânico abandonou as regras da rasgação-de-seda, da imunidade e isolação diplomática e reportou, para seu governo, uma série sistemática de estupros heterossexuais e homossexuais, além da prática habitual de tortura, contando entre outras coisas com a imersão do corpo da vítima em água fervendo.

Segundo sua excelência o embaixador, “milhares de pessoas passam por essa última tortura a cada ano.”

Em outubro de 2002, sua excelência o embaixador fez um discurso diante de outros diplomatas e autoridades do Uzbequistão condenando “a tortura e a brutalidade reinante nas prisões do país.”

Pra quê? Tremendo bafafá entre o ministério do Exterior britânico e seu lídimo representante. Bafafá que perdura e ganha espaço nos telejornais e jornais de qualidade de cá.

Depois veio o Alto-comissário britânico no Quênia. Alto-comissário é o título que se dá aos embaixadores entre os países que compõem a Commonwealth.

Chama-se Edward Clay e saiu do protocolo quando acusou o governo do Quênia de cobiça, arrogância e corrupção. Autoridades quenianas, inclusive o presidente Mwai Kibaki, protestaram, é claro.

Têm negociatas, drogas, tutu e subornos no esquema. Sempre segundo o diplomata britânico. Mais uma vez, a coisa vem ganhando espaço na imprensa britânica e, quero crer, queniana também.

Diante disso tudo, eu quero saber o seguinte: cadê os pacatos cisnes deslizando diante da escola formadora de diplomatas britânicos?

 
 
Arquivo - Ivan
Leia as colunas anteriores escritas por Ivan Lessa.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
 
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade