BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 03 de novembro, 2004 - 11h38 GMT (08h38 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Lição das urnas
 
Ivan Lessa
De vez em quando, no Brasil, eles deixavam (minto, obrigavam) a turma a votar.

Não foram muitas, muitas vezes. Entre os 15 anos de ditadura de Getúlio Vargas e os 20 da militar, foram poucas, muito poucas eleições.

Algumas, cá entre nós, fajutíssimas. Ao que parece, pegamos o jeito técnico da coisa e a votação eletrônica é de fazer americano babar de inveja.

Quem e para que elegemos é absolutamente secundário. O importante é cumprir o dever – e botemos dever nisso – cívico.

Juntamente com o escrutínio, a cabine indevassável, os fiscais dos partidos, os cabos eleitorais, os votos de cabresto e dezenas de outras curiosidades típicas de nossa civilização tropical, uma outra instituição sempre me fascinou: a do editorial no dia seguinte às apurações.

'Peça de resistência'

Que ninguém nos ouça, mas nem sempre se precisava esperar o resultado da apuração (que muitos achavam pura crendice popular ou superstição) para o editorialista ir até a sua Remington e lá dedilhar, em uns poucos minutos, a sua peça de resistência.

Esse nosso querido editorialista era, quase sempre, o camarada mais velho e experiente do jornal, ligeiramente biriteiro, caspento, danado de cínico, grande contador de casos ligados à profissão.

Seu editorial levava o invariável título de “Lição das Urnas” e constituía, em matéria de virtuosismo, uma espécie de Clair de Lune de seu repertório.

Nele, no “Lição das Urnas”, a cada rara eleição, mudavam apenas alguns adjetivos e a pontuação.

O “Lição das Urnas”, se eu tivesse que resumir seu sentido e conclusão, era simples: não significava coisíssima nenhuma.

Isso, no meu entender, e no da maioria das pessoas com quem eu me dava, não podia ser mais adequado.

A lição contida nas urnas, concluíamos nós, cínicos em flor, era precisamente isso: não queria dizer absolutamente nada, puro blablablá, não mudaria neca de petibiriba.

Lendo e ouvindo analistas e comentaristas “realmente técnicos” fazendo o apanhado dessa – qual é o substantivo coletivo para eleições? Pleitorréia? –, dessa onda tsunami de eleições que varreu o mundo, do Oiapoque ao Chuí, estendendo-se até o Uruguai e a Venezuela, passando pela Ucrânia, e – como ignorar? Como evitar? – nosso “grande irmão do norte”, reporto-me à uma das frases do editorial que quase memorizei:

“É de ressaltar que só a ausência de contenda eleitoral constitui revés político”. No que todos nós podemos cair no chão e rolar de tanto rir.

 
 
Arquivo - Ivan
Leia as colunas anteriores escritas por Ivan Lessa.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
 
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade