http://www.bbcbrasil.com

12 de março, 2007 - 14h58 GMT (11h58 Brasília)

Consumo de carne de macaco ameaça espécie na Amazônia

Até 5,4 milhões de macacos são caçados e consumidos anualmente na Amazônia brasileira, colocando em risco as populações naturais de primatas, alertaram nesta segunda-feira as organizações ambientais Care for the Wild, com sede na Grã-Bretanha, e Pro Wildlife, baseada na Alemanha.

Um amplo estudo das duas organizações examinou 22 países da América do Sul e Central, e colocou o Brasil entre os 16 nos quais "a caça para consumo de carne representa uma ameaça crítica às populações de primatas".

Armas e equipamentos modernos, combinados com velhos hábitos locais – como o de preferir carne de fêmeas, mais gordurosa e considerada mais saborosa – tornaram a caçada o fator de maior importância no encolhimento das populações, superando a destruição do hábitat natural.

Veja fotos da caça e comércio ilegal de macacos.

"A convergência de fatores como o desflorestamento em larga escala, o aumento da caça comercial e a captura de animais vivos tem tido efeito devastador sobre os primatas neotropicais, e pode colocar muitas espécies à beira da extinção", diz um relatório que levou em conta mais de 200 estudos científicos.

Com 109 espécies nativas de primatas, o Brasil é o país com mais diversidade de macacos do mundo.

Destruição

As organizações disseram que, enquanto os efeitos da destruição ambiental sobre as diferentes espécies de macaco são bem estudados na literatura científica, pouco se fala da caça de macacos para vender sua carne.

Oito milhões de sul americanos comem carne de macaco regularmente, elas afirmaram.

No Brasil, entre 970 e 2,4 mil macacos-prego (também conhecidos como 'capuchinhos', por levar na cabeça um tufo de pêlo semelhante a um capuz) são mortos a cada ano.

O grande porte de primatas como o macaco-barrigudo e o macaco-aranha, por sua vez, é um incentivo para caçadores que desejam consumir a sua carne ou vendê-la em mercados, afirmam as ONGs.

Em regiões onde a caça é intensa, as populações de macacos são até 93% menores que nas áreas onde a pressão é inexistente, sublinharam as organizações.

Nestas áreas, macacos com mais de 5 kg se tornaram extremamente raros ou foram extintos localmente.

"Por causa de sua lenta taxa de reprodução e baixas densidades populacionais, muitas espécies de primatas não podem suportar essa imensa redução", diz o relatório.

Além disso, em tribos indígenas como a dos Wairiri, cinco fêmeas são mortas para cada macho, porque a carne mais gordurosa é considerada mais saborosa.

Solução

As ONGs sugeriram uma estratégia de conservação ancorada em diversos pontos.

Elas pediram a preservação do hábitat natural das espécies, através da criação de mais reservas ambientais.

Sublinharam a necessidade de se encontrarem fontes alternativas de proteína para as comunidades que se alimentam da carne dos primatas.

Afirmaram que é necessário rever as regulamentações de caça nos sul e centro-americanos, enfatizando a necessidade de fazer cumprir a legislação.

Sugeriram, enfim, que sejam realizadas iniciativas de educação ambiental e de incentivo ao ecoturismo.

Transformar áreas de preservação em fonte de recursos econômicos é "uma excelente maneira de promover a conservação das florestas e dos primatas", avaliaram as ONGs.