BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 06 de abril, 2007 - 11h20 GMT (08h20 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Discurso catastrófico sobre clima se distancia da ciência, diz analista
 

 
 
Al Gore
O ex-presidente dos EUA Al Gore vem fazendo alertas sobre o tema
As mudanças climáticas são uma realidade, e a ciência confirma que a atividade humana tem boa parte da culpa.

Mas, nos últimos anos, um novo fenômeno ambiental surgiu na Grã-Bretanha - o fenômeno das mudanças climáticas "catastróficas".

Como se simples "mudanças climáticas" não fossem suficientes, agora elas precisam ser "catastróficas" para merecer atenção.

O aumento no uso deste termo pejorativo - e seus semelhantes "caótico", "rápido" e "irreversível" - alterou o discurso público em torno do tema.

Eu mesmo estou sendo cada vez mais castigado por ambientalistas quando minhas palestras não satisfazem a sede deles por uma retórica exagerada.

Parece que somos nós, cientistas que investigam o clima, os céticos.

Fatores

O que levou o debate entre cientistas especialistas em mudanças climáticas e céticos a agora ser um debate entre cientistas e alarmistas?

Por que políticos e cientistas estão, junto com ativistas, confundindo a linguagem do medo, do terror e do desastre com a realidade física observável das mudanças climáticas, ignorando deliberadamente os cuidados que cercam as previsões científicas?

Acredito que isso se deva a três fatores.

Primeiramente, o discurso da catástrofe é um mecanismo de campanha que está sendo mobilizado no contexto do fracasso do Protocolo de Kyoto.

Os signatários não vão cumprir com suas obrigações de reduzir a emissão de gás carbônico. As campanhas então requerem uma reação determinada para aumentar o interesse - e a linguagem da catástrofe climática vem a calhar.

Em segundo lugar, esse discurso é um mecanismo político e retórico para modificar o ângulo das negociações sobre o que deve ocorrer quando o Protocolo de Kyoto expirar, em 2012.

Finalmente, o discurso da catástrofe dá espaço para a realocação das verbas para pesquisas científicas.

Falta pouco para se alegar que os riscos que o mundo corre são reais e iminentes, dando a entender que mais uma "injeção" de dinheiro vai permitir que cientistas possam quantificar esses riscos.

Ciência

Precisamos fazer aqui uma pausa para refletir.

A linguagem da catástrofe não é a linguagem da ciência.

Ela não faz parte dos relatórios do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC, na sigla em inglês).

E funciona como um poderoso meio para induzir uma mudança de comportamento.

Isso já foi visto em outras áreas da saúde pública.

As descobertas do IPCC são importantes o suficiente sem invocar a catástrofe e o caos como armas que ameaçam desesperadamente a sociedade.

Acredito que as mudanças climáticas são reais e precisam ser enfrentadas com várias atitudes.

Mas o discurso da catástrofe corre o risco de colocar a sociedade em uma trajetória negativa, deprimente e reacionária.

*Mike Hulme é professor de Ciências Ambientais da Universidade de East Anglia e diretor do Centro Tyndall para Pesquisas em Mudanças Climáticas.

 
 
GloboEspecial
Veja as últimas informações sobre mudanças climáticas.
 
 
AmazôniaDesmatamento
Brasil teve 73% das perdas da América do Sul, diz FAO.
 
 
Seca na AmazôniaAmazônia
Risco de seca intensa pode ser 10 vezes maior em 2030.
 
 
ONU
Relatório culpa homem por aquecimento global.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade