A vida sexual dos bonobos, os macacos 'feministas'

Alamy Direito de imagem Alamy
Image caption Bonobos já foram chamados de "macacos hippies"

Como uma forma de distingui-los, bonobos geralmente são conhecidos como chimpanzés pigmeus. Mas embora eles realmente sejam menores e mais leves, essa certamente não é a principal diferença entre as duas espécies de primatas.

"Bonobos têm mais estilo. Pernas compridas e cabeças menores fazem com que tenham uma forma mais graciosa que a de chimpanzés", escreveu, em 1995, o primatologista Frans de Waal, um dos mais famosos do mundo.

Um típico bonobo tem lábios vermelhos, orelhas pequenas e um "penteado", descrito por Waal como repartido ao meio. Alguns até exibem um certo topete. Só que, além da aparência, os bonobos se destacam dos chimpanzés por algo fundamental: o domínio exercido pelas fêmeas.

Sexo

Em meados da década de 1970, o primatologista japonês Takayoshi Kano foi um dos primeiros cientistas a documentar o papel preponderante feminino na sociedade bonobo. Isso contrasta em muito com os chimpanzés, cujas fêmeas tendem a passar a maior parte do tempo à margem da sociedade.

Kano também observou uma variedade de comportamentos sexuais fora do comum.

A fricção de órgãos genitais foi um deles: fêmeas se abraçavam frequentemente para trocar afagos, conforme o japonês escreveu em 1980 no Journal of Human Evolution. Quando machos e fêmeas copulavam, Kano observou que em pelo menos em um terço dos casos o casal adotava a posição "papai e mamãe".

Em algumas ocasiões, o japonês viu fêmeas copulando com outros machos e até mesmo filhotes.

Direito de imagem Alamy
Image caption "Penteado" diferencia bonobos de chimpanzés

A publicação dessas observações criou um fascínio público com a espécie, que alguns especialistas consideram exagerado. "Há essa percepção de que os bonobos são ninfomaníacos e fazem sexo o tempo todo", diz Zana Clay, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido, que passou anos estudando os macacos.

A realidade é um pouco diferente: a frequência de cópula dos bonobos nem de longe é tão alta quanto as pessoas imaginam. "Em termos de reprodução, eles não são mais sexualmente ativos que os chimpanzés", completa Clay.

A fricção de genitais é comum, mas só acontece em contextos bem específicos, frequentemente alguns que não são sexuais. "As pessoas pensam que os macacos fazem isso por diversão, mas a prática está ligada a situações sociais incertas", diz a cientista.

Um exemplo é quando um grupo chega a uma nova árvore. Há certa tensão no ar para ver quem poderá se servir primeiro. "As fêmeas terão bastante contato genital umas com as outras para aliviar a tensão e o espírito competitivo. Com todas calmas, todos podem comer juntos."

A fricção genital também serve para arrefecer os ânimos entre grupos rivais, o que evita a violência vista nas chamadas "guerras de chimpanzés". Isso, porém, não significa que os bonobos sejam macacos pacifistas ou incapazes de agressões.

Direito de imagem Alamy
Image caption Pesquisadores dizem que eles são bem menos agressivos que os chimpanzés

"A fricção também é uma forma de se acalmar após lutas", explica Clay. "Em zoológicos, há uma série de machos com dedos a menos. Já vi um macho sem a ponta do pênis, que uma fêmea arrancou a mordidas."

Apesar do domínio feminino, o papel masculino na sociedade é frequentemente subestimado. Se uma fêmea dominante tem um filho, ele vai se beneficiar de sua posição social. Consequentemente, alguns machos são mais dominantes que algumas fêmeas. Mas a ajuda feminina é fundamental: em 2010, pesquisadores descobriram que mães ajudavam os filhos a obter mais parceiras.

Os machos também tem comportamentos que podem ser considerados sexuais à primeira vista. Kano notou contato ânus-ânus e mesmo casos de pseudo-cópula, além de uma espécie de "esgrima peniana".

Ninguém sabe ao certo como os bonobos adotaram comportamento tão diferente dos chimpanzés, até porque um estudo genético de 2012 sugeriu que as duas espécies só começaram a trilhar caminhos evolucionários diferentes há menos de um milhão de anos.

Direito de imagem Alamy
Image caption Ao contrário do que se pensa, bonobos não são "ninfomaníacos"

Porém, uma análise da distribuição geográfica de chimpanzés e bonobos na África sugere a influência do rio Congo. Se você navegasse o rio em direção à foz, no Atlântico, perceberia os chimpanzés ocupando a margem direita e os bonobos, a esquerda.

O professor Takeshi Furuichi, da Universidade de Kioto, no Japão, sugere que essa divisão tenha ocorrido quando as águas do rio baixaram o suficiente para que alguns macacos cruzassem para a margem esquerda.

Daí teriam surgido diferenças sociais e sexuais entre bonobos e chimpanzés, segundo Furuichi.

"Entre os bonobos, as fêmeas fazem sexo com os machos mesmo em períodos inférteis. Isso é bem diferente do comportamento sexual relativamente limitado das fêmeas chimpanzés, e pode ter ocorrido por força de apenas algumas mudanças genéticas na população original", explica o pesquisador.

Uma consequência de muitas fêmeas sexualmente ativas de uma vez é o fato de haver menos competição entre os machos, o que teria também levado a um controle feminino.

Notícias relacionadas