Camareira entra com ação civil contra Strauss-Kahn

A camareira de hotel Nafissatou Diallo entrou com uma ação civil contra o ex-diretor-gerente do FMI Dominique Strauss-Kahn, a quem acusa de assédio sexual.

Na ação civil, ajuizada em Nova York, a defesa da camareira afirma que Strauss-Kahn "assediou a srta. Diallo intencionalmente, brutalmente e violentamente".

Os advogados dizem ainda que o ex-chefe do FMI "humilhou, degradou, violou e roubou a dignidade da srta. Diallo enquanto mulher".

O francês Strauss-Kahn, 62 anos, foi detido em Nova York em 14 de maio, acusado de atacar sexualmente a camareira. Ele renunciou a seu cargo no FMI e pagou fiança de US$ 1 milhão (cerca de R$ 1,6 milhão) para sair da prisão.

O ex-diretor do FMI declara ser inocente. Os seus advogados pretendem questionar a credibilidade de Diallo.