Investigação conclui que morto em Tottenham não disparou contra a polícia

A Comissão Independente de Inquérito da Polícia de Londres (IPCC, na sigla em inglês) afirmou nesta terça-feira que não há provas de que o homem cuja morte foi o estopim da revolta no bairro de Tottenham tenha disparado contra policiais.

Mark Duggan, de 29 anos, foi morto na última quinta-feira durante uma batida policial no norte de Londres. Ele morreu em decorrência de um ferimento de bala no peito.

Duggan estava dentro de um táxi, e foi morto no que a polícia havia descrito como uma troca de tiros com policiais que participavam da Operação Tridente - unidade que lida com crimes com armas de fogo em comunidades afro-caribenhas da capital britânica.

Segundo a versão inicial, um policial teria sido atingido por uma bala disparada por Duggan. O oficial, disse a polícia, não ficou ferido porque a bala se alojou em um rádio que ele levava no bolso do colete.

O IPCC, que monitora as atividades da polícia londrina, disse entretanto que não havia qualquer "prova de que a arma encontrada no local tenha sido disparada".