Líder religioso polígamo dos EUA pega prisão perpétua

Um tribunal do Texas (EUA) condenou o líder religioso polígamo Warren Jeffs à prisão perpétua por assediar sexualmente duas seguidoras menores de idade que ele tomou como noivas.

Jeffs foi considerado culpado por ter forçado as duas adolescentes a aceitar o que ele chamou de “casamento espiritual”, além de ter abusado de uma delas, que teria 15 anos quando engravidou do religioso.

O réu era o líder da Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Últimos Dias, uma cisão da Igreja dos Mórmons, quando esta abandonou a prática da poligamia.

Jeffs ficou em silêncio enquanto o júri anunciava a sua decisão, que levou 30 minutos para ser tomada.

A seita tem cerca de 10 mil seguidores e tem como premissa a crença de que para ir ao céu, homens devem se casar com pelo menos três mulheres, enquanto elas precisam ser subservientes ao marido.