Policiais do Equador terão de passar por detector de mentiras

Os 42 mil integrantes da polícia do Equador terão de se submeter a testes em um detector de mentiras. A medida é parte de um programa que combate a corrupção no meio policial.

Durante o anúncio feito nesta terça-feira, o chefe da polícia, general Wilson Alulema, disse que pretende “depurar” a instituição.

Todos os funcionários terão ainda de declarar os seus bens, para que investigadores monitorem eventuais pagamentos ilícitos aos policiais.

A reforma na polícia ocorre sob ordens do presidente Rafael Correa, que em setembro do ano passado enfrentou um motim policial, que exigia melhores condições de trabalho.

Correa chegou ser internado em um hospital, após um incidente com os grevistas em um quartel de Quito.