Brasil não tem posição sobre a Líbia mas já conversa com rebeldes

O Brasil ainda não tem um posicionamento oficial diante da provável queda do regime de Muamar Khadafi, na Líbia, mas o Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores) já mantem contatos informais com representantes do movimento rebelde.

Segundo sua assessoria de imprensa, o ministro Antonio Patriota conversou, nesta segunda-feira, com o secretário-geral da Liga dos Países Árabes, Amr Moussa, e com a chefe da diplomacia sul-africana, Maite Nkoana-Mashabane, para levantar subsídios sobre a situação na Líbia, antes de tomar um posicionamento oficial.

Boa parte dos países europeus e os Estados Unidos já reconheceram o Conselho Nacional de Transição dos rebeldes como governo interino líbio.

Em Brasília, a bandeira verde do regime de Khadafi também já deu lugar ao símbolo do movimento rebelde na Embaixada da Líbia. O prédio foi ocupado na última semana por cidadãos líbios que apoiam a queda de Khadafi.

Enquanto isso, a capital líbia, Trípoli, é cenário de uma batalha entre forças do regime e as do movimento rebelde, que já controlam boa parte da cidade, com exceção do QG de Khadafi. O paradeiro do líder líbio também é desconhecido.