União Africana pede inclusão na Líbia, mas evita reconhecer rebeldes

A União Africana pediu um governo de transição inclusivo na Líbia, mas evitou reconheceu o Conselho Nacional de Transição (CNT) como a autoridade legítima do país.

Depois de uma reunião do bloco na Etiópia, o comissário da União Africana, Ramtane Lamamra, disse que o grupo quer ver um processo de reconciliação nacional na Líbia e um projeto para a "transformação democrática" do país.

Mais cedo, o líder do CNT, Mahmoud Jibril, havia afirmado que os rebeldes poderão enfrentar uma crise de legitimidade se os bens líbios que estão congelados não forem liberados logo.