Milhares de sudaneses fogem após ataques das forças armadas

O movimento de oposição do Sudão pediu que a ONU estabeleça uma zona de exclusão aérea ao norte da nova fronteira entre o país e o Sudão do Sul.

Milhares de civis estão deixando suas casas nas províncias de Nilo Azul e de Cordofão do Sul após ataques das forças armadas ordenados pelo governo.

Na sexta-feira, o país declarou estado de emergência por causa dos conflitos em Nilo Azul, a terceira província na fronteira a ser palco de violência desde a independência do Sudão do Sul.

O Secretário-geral do antigo grupo rebelde SPLM no norte, Yassir Arman, pediu a zona de exclusão aérea e acusou as forças do governo de Omar al-Bashir cometerem atrocidades contra os cidadãos.

Relatos da ONU dizem que 16 mil pessoas cruzaram a fronteira do Sudão com a Etiópia.

Analistas dizem que o governo em Cartum está tentando neutralizar os rebeldes em ambos os países antes que eles se tornem uma ameaça separatista.