Otan admite responsabilidade em morte de jornalista afegão da BBC

A Isaf, missão militar liderada pela Otan que combate no Afeganistão, admitiu nesta quinta-feira responsabilidade pela morte do repórter da BBC Ahmed Omed Khpulwak, em julho.

A missão da Otan afirmou que um soldado americano confundiu Khpulwak, jornalista do serviço pashtun da BBC, com um insurgente, quando as tropas ocidentais respondiam a um ataque extremista na cidade de Tarin Kowt, no sul do Afeganistão.

Khpulwak foi uma das 19 pessoas mortas no episódio, o qual passou a ser investigado pela Otan após questionamentos aos relatos iniciais do caso, dando conta que o repórter tinha sido morto por insurgentes.

Um relatório da Isaf concluiu que Khpulwak, de 25 anos, foi morto com tiros disparados por um soldado americano, que pensou que ele era um homem-bomba.

A missão da Otan considerou a morte “trágica” e expressou condolências à família do jornalista. Mas agregou acreditar que seus soldados cumpriram com as leis de guerra e agiram de maneira razoável dadas as circunstâncias.